.

Prefeitura de Petrolina tem expediente normal na terça-feira

A Prefeitura Municipal de Petrolina informa que na terça-feira (28) funcionará em expediente normal. A comemoração do Dia do Servidor foi antecipada para a segunda-feira (27). Dia que foi decretado ponto facultativo, como já informado a imprensa local.

O secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão, Geraldo Junior,  informa que existe uma lei que limita em quatro feriados no município. “sem falar que um feriado agora iria interferir  nas atividades econômicas do setor privado”, expôs.

À moda de Palocci

Wagner: articulação para fazê-lo ministro da Fazenda se Dilma se reeleger

Está em curso uma forte articulação no PT para fazer de Jaques Wagner, um dos petistas vitoriosos nestas eleições, o novo ministro da Fazenda, caso Dilma Rousseff se reeleja. A ideia conta com a adesão de Lula. Dilma tem bom relacionamento com o governador da Bahia.

Mas Wagner? Que ligação com a economia teria um ex-estudante de engenharia que nunca completou o curso?

O exemplo de Antonio Palocci, médico de formação, é lembrado entre os poderosos petistas que abraçam o movimento. Wagner, como Palocci, também é um habilidoso conversador, um predicado obrigatório para aparar as arestas com o setor produtivo.

Por Lauro Jardim

Sede da Veja é pichada em São Paulo

Manifestação contra publicação da "Veja" espalhou lixo em frente a prédio da Editora Abril
Manifestação contra publicação da “Veja” espalhou lixo em frente a prédio da Editora Abril

Em protesto contra reportagem da revista ‘Veja’, cerca de 50 pessoas picharam a sede da editora Abril em São Paulo e espalharam edições picadas da ‘Veja’ diante do prédio nesta sexta-feira (24). Na calçada e nas paredes da Abril foram escritas as frases ‘Veja mente’ e ‘Fora Veja’.

Após a presidente Dilma Rousseff utilizar o horário eleitoral para criticar a reportagem publicada pela ‘Veja’, a revista divulgou nota em que negou ter aberto exceção ao antecipar sua distribuição para a antevéspera das eleições presidenciais deste ano.

‘Em quatro das últimas cinco eleições presidenciais, VEJA circulou antecipadamente, no primeiro turno ou no segundo’, diz o texto distribuído pela revista.

Segundo a nota, os fatos narrados na reportagem ocorreram na terça-feira (21), a apuração sobre eles começou no mesmo dia, mas a revista ‘só atingiu o grau de certeza e clareza necessária para publicação’ na tarde de quinta.

A ‘Veja’ também diz que Dilma, ao atacar a revista, criticou o ‘mensageiro’, mas que o ‘cerne do problema’ foi produzido pelos fatos ‘degradantes’ na Petrobras.

A revista termina dizendo que reconhece em Dilma uma defensora da liberdade de imprensa e que espera que essa qualidade não se abale quando são revelados fatos que lhe ‘possam ser pessoal ou eleitoralmente prejudiciais’.

Na seção ‘Carta ao Leitor’ de sua edição desta sexta, a ‘Veja’ disse que ‘não publica reportagens com a intenção de diminuir ou aumentar as chances de vitória desse ou daquele candidato’, mas sim para ‘aumentar o grau de informação de seus leitores sobre eventos relevantes’.   (Da Folha de S.Paulo)

.

Melhor que a novela: os bastidores do debate na TV Globo

Com Dilma e Aécio frente a frente pela última vez, aliados dos candidatos trocaram farpas e capricharam no figurino. A seguir, o debate que você não viuO último debate do segundo turno entre os candidatos a presidente Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), promovido pela Rede Globo no Projac, no Rio de Janeiro

O último debate do segundo turno entre os candidatos a presidente Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), promovido pela Rede Globo no Projac, no Rio de Janeiro – Ivan Pacheco/VEJA.com

Bastidores-debate-Globo-seg-turno-019-size-598

Melhores amigos - Nos bastidores do último debate da TV Globo, nenhum aliado do PSDB mostrou-se mais à vontade que o PSB. Dividiram espaço na plateia com os tucanos o conselheiro Walter Feldman, Paulo Câmara, governador eleito de Pernambuco, e Beto Albuquerque, candidato a vice da ex-senadora Marina Silva. Albuquerque vibrou cada vez que Aécio Neves deixou a presidente-candidata Dilma Rousseff desconsertada. Ao final, tiraram fotos e fizeram selfies. De bom-humor, Aécio disse que, se tudo der errado, “se mudará para Porto de Galinhas”, em Pernambuco, Estado reduto do PSB.

Divórcio - Albuquerque disse ao site de VEJA que não fala com Roberto Amaral, destronado da presidência do partido, desde que o pessebista-lulista rompeu a aliança feita entre seu partido e o PSDB. “Se ele tiver o mínimo de senso, muda de partido”, afirmou.

Tão longe, tão perto - A candidata derrotada à Presidência Marina Silva não compareceu ao debate porque viajou para o Acre nesta sexta-feira para votar no domingo. Ao final do evento, Aécio perguntou a Beto Albuquerque (PSB) como estava a aliada. “Ela está bem?”. O deputado gaúcho assentiu e disse que o partido organizou a ida de Marina mais cedo a Rio Branco para que ela pudesse acompanhar o debate pela TV.

Conciliadores - Os dois únicos petistas que cruzaram a fronteira para cumprimentar tucanos foram o governador da Bahia, Jaques Wagner, e o ministro José Eduardo Cardozo.

Embarque – O ex-prefeito paulistano Gilberto Kassab, do PSD, também integrou a comitiva petista.

Guerrilheira - Jaques Wagner, que tem comparecido assiduamente aos debates presidenciais, desta vez inovou no visual. Debaixo do paletó, vestia uma camiseta vermelha com o rosto de Dilma estampado. O retrato da presidente é de quando ela foi presa durante a ditadura.

Papo de banheiro - Em rápida escapada, o senador eleito José Serra (PSDB) encontrou Jaques Wagner no banheiro, durante o intervalo do segundo bloco do debate. Conversaram por alguns instantes.

Tempo! – A benevolência do mediador do debate, William Bonner, com os dois candidatos quando extrapolaram o tempo de respostas foi constante alvo de críticas da plateia. O senador eleito pelo PSDB no Ceará, Tasso Jereissati, repetiu três vezes: “Já acabou, já acabou, já acabou”, quando Dilma estourou seu tempo. Em outra resposta, quando Aécio esgotou o cronômetro, os petistas começaram a falar alto para silenciar o tucano.

Melhor que novela - Diretores da TV Globo celebraram ao final do debate a audiência, cujo pico foi de 31 pontos – recorde entre todos os debates feitos este ano e mais do que a novela Império.

Na conta do PT - Quando deixava o estúdio da Rede Globo, Aécio Neves se deparou com uma foto da Avenida Faria Lima, em São Paulo, repleta de manifestantes pró-PSDB. Beto Albuquerque, animado, disse: “Está vendo o que você está fazendo em São Paulo?”. Aécio seguiu o tom bem-humorado: “Eu não. É ela!”, disse, referindo-se à adversária petista.

Torcida - “Foi o melhor debate do Aécio”, avaliou o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. “Ele foi bem mais objetivo”, acrescentou Serra. “Tentar tirar proveito político de uma seca que atingiu duramente parte da Região Sudeste foi injusto e desrespeitoso”, criticou.

Retranca - O coordenador da campanha de Dilma no Rio de Janeiro, o vice-prefeito da capital, Adilson Pires (PT), torceu por um debate “nada ofensivo”. Segundo ele, terminar no empate seria bom.

Tática – Um dos alvos preferenciais de Dilma, o economista Armínio Fraga, pré-nomeado ministro da Fazenda se Aécio for eleito, afirmou que a tática petista é meramente “tirar do foco o fracasso da política econômica”’. Disse: “A tática deles é desviar a atenção da inflação alta e do investimento baixo”.

Teflon - O vice-presidente da República, Michel Temer, avalia que o escândalo de corrupção da Petrobras não interfere na decisão do eleitor na hora do voto. “Não acho que a questão da Petrobras tenha influência eleitoral, embora ninguém negue que tenha de ser apurado”, afirmou.

Telhado de vidro – Enrolado com sucessivas denúncias de corrupção, o ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi (PDT) sentou-se na segunda fileira de convidados de Dilma. Sobre uma possível volta ao governo, prognosticou: “Se eu voltar vocês me matam”, disse a jornalistas.(Ana Clara Costa, Talita Fernandes e Daniel Haidar)

.

Miguel Coelho percorre Sertão de Pernambuco para agradecer apoio dos eleitores e reforçar campanha pró-Aécio

Santa Maria 1

Miguel Coelho (PSB), deputado estadual eleito no último dia 5, está percorrendo o Sertão pernambucano para agradecer aos eleitores o apoio recebido na última eleição. Em cada município, o socialista tem conversado com a população e participado de encontros com lideranças políticas e comunitárias com o intuito de reforçar seu compromisso por todo Pernambuco.

Nas visitas, Miguel também fortalece a campanha do candidato a presidente da República, Aécio Neves (PSDB), pedindo a todos o engajamento na reta final deste segundo turno. Os compromissos da semana começaram no Núcleo 10 (N-10) do Perímetro de Irrigação Senador Nilo Coelho e no distrito de Izacolândia, na zona rural de Petrolina.

Logo depois, Miguel participou de entrevistas na rádio Lagoa Grande FM, no município de Lagoa Grande. “É uma alegria voltar a esse município agora como deputado estadual eleito. Aproveito para reafirmar meu compromisso na luta pela implantação de escolas de tempo integral, ajudando no desenvolvimento da cidade. Agradeço a cada um pelo voto de confiança e irei retribuir com muito trabalho”, disse.

Em Santa Maria da Boa Vista e acompanhado do ex-prefeito Jetro Gomes, Miguel também aproveitou a entrevista em uma emissora de rádio local para agradecer o apoio dos boavistanos. “Saberei retribuir com muito trabalho e compromisso com o Vale do São Francisco”, destacou.

Miguel ainda passou pelas cidades de Ouricuri e Santa Filomena, onde os prefeitos César de Preto e Gildevan Melo, respectivamente, comemoraram a eleição de um deputado estadual para atender as demandas dos municípios. Compromissos em Dormentes, Afrânio e no distrito de Rajada encerraram a agenda do socialista.

.

Cáritas Diocesana, Ong Chapada e Serta, divulgam nota de repúdio a fatos veiculados em redes sociais

NOTA DE REPÚDIO

DE: CHAPADA, CÁRITAS DIOCESANA DE PESQUEIRA E SERTA
PARA: DIREÇÃO ESTADUAL DO MOVIMENTO SEM TERRAS – MST

ATT: JAIME AMORIM – COORDENADOR ESTADUAL DO MOVIMENTO

A Ong Chapada (Centro de Habilitação e Apoio ao Pequeno Produtor do Araripe) – membro e presidente do Conselho Estadual de Desenvolvimento Sustentável; o Serta (Serviço de Tecnologia Alternativa) membro do Conselho Nacional da Juventude e a Cáritas Diocesana de Pesqueira (Entidade Membro da Cáritas Brasileira – organismo da CNBB) repudiam o conteúdo da postagem veiculada no perfil do Facebook da Sra.Bia Silva (Representante da Juventude do MST de Pernambuco) e, portanto membro do MST no Estado, no último dia 22 de outubro de 2014.

Segue, abaixo:

 

Diante dessa matéria veiculada no Facebook, apresentamos nosso repúdio aos fatos e opiniões externados pela Sra Bia Silva.

As organizações da sociedade dentre elas o Chapada, o Serta e a Cáritas Diocesana de Pesqueira, trazem em sua matriz ideológica um projeto de sociedade popular e emancipador das populações, principalmente daquelas mais excluídas de seus direitos básicos para sobrevivência humana. Para efetivar esse projeto ao longo da história, tivemos que enfrentar vários desafios, fomos perseguidos pelo regime militar, pelos patrões, pelas elites dominantes.Todavia, aprendemos a construir caminhos caminhando.

Mais, uma vez estamos sendo perseguidos; dessa vez, por pessoas e organizações do nosso mesmo campo ideológico! Se existe inimigo, ele está entre nós?

O Movimento Sem Terra, ao longo de sua trajetória construiu parcerias com as organizações sociais. Elas potencializavam a luta pela terra com suas expertises técnicas em determinadas temáticas. A própria Asa é um exemplo: muitas tecnologias sociais de segurança hídrica protagonizadas por essa articulação foram e estão sendo implementadas em vários assentamentos organizados pelo Movimento Sem Terra no Semiárido Brasileiro.

Atitudes como essa da representante do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, diminui e enfraquece a luta das populações e organizações do campo que, ao longo da caminhada, souberam traçar seus ideais na luta e na resistência às opressões. Portanto, esse posicionamento mostra o quanto ainda se precisa avançar para conviver de forma harmônica com as diferenças.

Trata-se de uma afronta às organizações, na tentativa de desqualificar o trabalho de mais de vinte anos de luta para melhorar a qualidade de vida e garantia dos direitos das famílias agricultoras pernambucanas sempre com transparência, lealdade e respeito a todos e todas, a partir de depoimentos descabidos, infundados, baseados em fatos que não correspondem à realidade.

Em sua postagem, a Sra Bia Silva acusa as organizações de seguir o posicionamento do Governo de Pernambuco e do PSB pernambucano em defesa da candidatura presidencial de Aécio Neves (PSDB) e de não terem apoiado o ato em defesa da reeleição de Dilma Rousseff (PT) à presidência no último dia 21 de outubro, em Petrolina.

Em momento algum as organizações citadas declaram apoio a qualquer candidato a Presidência da República. Somos organizações sociais não partidárias, por força da lei, e executamos políticas públicas relacionadas à nossa missão institucional, com eficácia, eficiência e efetividade.

Acontece que, de maneira sórdida e sem nenhum compromisso com a verdade, a Sra Bia Silva talvez manipulada por pessoas, fez acusações às organizações de oportunista.

Nossa luta consiste em defender a honra e a história das instituições citadas, pois não defendemos partidos políticos, mas sim um projeto de sociedade, que zela pelo compromisso e respeito com as pessoas. Assim, as instituições devem ser fortalecidas para que possam prosperar as parcerias nos âmbitos dos governos municipais, estaduais e federal independente da natureza partidária.

Qualquer pessoa ou entidade que tente vincular a luta pelos direitos sociais promovida pelas instituições do Terceiro Setor a qualquer representante ou partido político atenta contra um dos pilares constitucionais da democracia que é a soberania popular.
Os representantes políticos cumprem suas missões e passam. As instituições permanecem.

E por fim,o Chapada, o Serta e a Cáritas Diocesana de Pesqueira reafirmam a missão coletiva de lutar hoje e sempre para manutenção de uma sociedade livre e democrática, que preza pela verdade, transparência, convivência com as diferenças, respeito e compromisso com uma sociedade justa e solidária.

Em 23 de outubro de 2014.

Assinam:
Chapada
Serta
Cáritas Diocesana de Pesqueira

.

Aécio: Depoimento de doleiro indica caixa dois na campanha de Dilma

Candidato tucano classificou como “extremamente graves” as informações reveladas por VEJA sobre depoimento de Youssef

Daniel Haidar, do Rio de Janeiro
O candidato à Presidência da República pelo PSDB,  Aécio Neves, fez declaração à imprensa, nesta sexta-feira (24), no Rio de Janeiro, sobre as denúncias publicadas na revista Veja

O candidato à Presidência da República pelo PSDB,  Aécio Neves, fez declaração à imprensa, nesta sexta-feira (24), no Rio de Janeiro, sobre as denúncias publicadas na revista Veja (Marcos Fernandes/Divulgação)

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, afirmou nesta sexta-feira que considera “extremamente graves” as informações reveladas por VEJA sobre o depoimento prestado na última terça-feira pelo doleiro Alberto Youssef, pivô do megaesquema de lavagem de dinheiro desmontado pela Polícia Federal na Operação Lava-Jato. Como narra a reportagem, o doleiro, que atuava como banco clandestino do petrolão, implica a presidente Dilma Rousseff (PT) e Lula, seu antecessor, no esquema de corrupção. Em coletiva concedida no Rio de Janeiro, Aécio afirmou que, se comprovadas, as informações prestadas por Youssef confirmam que “houve operação de caixa dois na campanha presidencial do PT”.

VEJA revelou que Youssef afirmou à PF que Dilma e Lula sabiam das irregularidades na Petrobras, que era usada de forma sistemática para desviar recursos que abasteciam os caixas do PT e de outros partidos aliados. Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da estatal, também foi preso por sua participação nos desvios. Ele e Youssef firmaram um acordo de delação premiada, o que os obriga a comprovar as afirmações que fizerem para ter a pena reduzida.

“A denúncia é extremamente grave. A delação premiada é um instrumento que apenas assegura benefícios se vier acompanhada de comprovações das denúncias. É preciso que nos alertemos, porque a primeira etapa da delação feita por Paulo Roberto Costa foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal, portanto acreditando nas informações que ali foram prestadas”, afirmou o presidenciável, em rápido pronunciamento em um hotel no Leblon, Zona Sul do Rio, onde se prepara para o debate da TV Globo, nesta noite.

Aécio destacou ainda o encontro narrado pelo doleiro com um integrante da coordenação da campanha presidencial do PT para tratar da repatriação de 20 milhões de reais que seriam usados na campanha de Dilma. “Se comprovado isso, é a confirmação de que houve operação de caixa dois na campanha presidencial do PT. É algo extremamente grave que tem que ser confirmado, mas é preciso que seja também apurado”, disse.

O tucano também criticou a postura de Dilma: o PT tentou censurar reportagem de VEJA sobre o depoimento de Youssef, mas teve o pedido negado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Infelizmente até agora a única manifestação do PT foi pela censura. Essa não é certamente a resposta que os brasileiros aguardam e o TSE negou provimento a essa solicitação. O Brasil aguarda esclarecimentos cabais e definitivos”, afirmou.

Crimes – Em nota, a coligação de Aécio listou quatro delitos que, se comprovadas as informações de Youssef, terão sido cometidos pelo PT — corrupção passiva, corrupção ativa, peculato e prevaricação. “Tais fatos são por si só graves e indicam, caso confirmados,  o cometimento de diversos crimes pelos dirigentes do PT. Vale dizer que, ao se confirmar que todas as infrações narradas pelo doleiro ocorriam com o conhecimento dos Srs. Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Vana Rousseff, há que se realizar um aprofundamento das investigações para verificar a sua participação nos ilícitos, seja como partícipes, coautores ou beneficiários. Importante ressaltar que, de qualquer forma, há responsabilidade criminal a ser perquirida”, informou a nota.

A coligação também destaca a revelação da tentativa da campanha petista de repatriar recursos estrangeiros, citada por Youssef, argumentando que isso pode levar à “extinção” do PT. “Por fim, é necessário apurar se a repatriação de recursos financeiros do exterior se concretizou, ainda que por meio de outro operador, pois, caso se confirme o ingresso de 20 milhões de reais de recursos ilegais em benefício da campanha de Dilma Rousseff, restará caracterizado o abuso de poder econômico nestas eleições. Além disso, a obtenção de recursos de procedência estrangeira por partido político poderá levar à extinção do Partido dos Trabalhadores.”

.

TSE nega pedido de Dilma para censurar VEJA

Tentativa de retirar reportagem sobre o depoimento de Alberto Youssef à PF de VEJA.com e do perfil da revista no Facebook foi rechaçada pela Justiça

Gabriel Castro, de Brasília
Capa de VEJA 2397

Capa de VEJA desta semana: Dilma e Lula sabiam de tudo, diz Alberto Youssef à PF (VEJA)

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou nesta sexta-feira um pedido da campanha da presidente-candidata Dilma Rousseff (PT) para censurar a reportagem de VEJA desta semana na qual o doleiro Alberto Youssef, pivô do megaesquema de lavagem de dinheiro desmontado pela Polícia Federal, afirma que Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabiam dos desvios na Petrobras.

O pedido da coligação de Dilma para retirar a publicação do site de VEJA do ar e do perfil da revista no Facebook foi protocolado pelo PT nesta sexta-feira, sob o argumento de que a publicação desrespeita a legislação eleitoral. Mas o ministro Admar Gonzaga negou o pedido.

A lei citada pelo PT para tentar censurar VEJA é fruto da minirreforma eleitoral, mas não tem efeito sobre as eleições de 2014 porque entrou em vigor menos de um ano antes do pleito. “O dispositivo invocado para a suspensão da veiculação (§ 3º do art. 57-D da Lei nº 9.504/1997), consoante entendimento deste Tribunal Superior (Consulta nº 1000-75), não tem eficácia para o pleito de 2014″, afirmou o ministro.

Leia também: Lula e Dilma sabiam de tudo, diz Yousseff