Destaques

15 esperanças de medalha na Paralimpíada

O Brasil é uma potência paralímpica e, nesta edição dos Jogos, tem a ambiciosa meta de ficar no ...

‘Velho Chico: nas águas do conhecimento’.

O período das provas de vestibulares e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) sempre causa tens ...

Paulo Câmara apoia pauta de trabalhadores

O governador Paulo Câmara recebeu nesta quarta-feira (24.08), no Palácio do Campo das Princesas, a ...


RADIO WEB JUAZEIRO
Lista de Links
RADIO CIDADE

15 esperanças de medalha na Paralimpíada

Postado em 25 de agosto de 2016

BBvY3vx
image-54975

O Brasil é uma potência paralímpica e, nesta edição dos Jogos, tem a ambiciosa meta de ficar no 5º lugar no quadro geral de medalhas. O país contará com a maior delegação da história, com 279 atletas (181 homens, 98 mulheres e 23 acompanhantes: atletas-guia, calheiros e goleiros).

Desses brasileiros, 44 atletas de 11 modalidades já conquistaram uma medalha de ouro em edições anteriores. Desde Roma 1960, o Brasil coleciona 10 participações paralímpicas, com 46 medalhas: 55 de ouro, 63 de prata e 164 de bronze.

BBvYdkj
image-54976

BBvYaWN
image-54977

Fonte:msn




SESI AGO2016

‘Velho Chico: nas águas do conhecimento’.

Postado em 25 de agosto de 2016

Foto (3)
image-54971

O período das provas de vestibulares e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) sempre causa tensão e ansiedade, que podem interferir no desempenho do aluno, segundo análise da Coordenadoria do Plenus Colégio e Curso, em Petrolina, Sertão de Pernambuco. Não é à toa que a instituição promove diferentes atividades que aliviam o estresse desses estudantes. No próximo dia 3 de setembro (sábado), a metodologia usada será um Aulão descontraído.

A aula, que vai reunir todas as disciplinas que fazem parte dos certames, como Português, Matemática e Redação, acontece das 17h às 21h, no auditório do Centro Cultural Dom Bosco. De acordo com o coordenador do Pré-Vestibular do Plenus, Nivaldo Moreira, o Aulão já é o segundo de 2016, e deve ter apresentações musicais- com participações especiais de Nilton Freitas, Renivaldo Pinheiro e do DJ Jocélio Bello- sorteios e brincadeiras, além do conteúdo, que será ministrado de forma leve. “Tivemos resultados bastante positivos, de aprovação desses jovens nas universidades da região, quando passamos a unir conteúdo, descontração e atividades que relaxam a mente”, afirma.

Nivaldo lembra que, junto às atividades e brincadeiras, cada edição aborda temáticas diferentes, que são discutidas entre professores e estudantes. Segundo o Coordenador, o estilo adotado pelo Plenus busca se assemelhar à abordagem dos vestibulares e do Exame. “Desse modo, eles estarão preparados para as provas e para o Enem que farão neste semestre”, diz.  O tema do 2º Aulão é ‘Velho Chico: nas águas do conhecimento’. Nivaldo reforça que, até dezembro, duas outras edições estão programadas para serem realizadas pelo Plenus Colégio e Curso.




NAIPES

Paulo Câmara apoia pauta de trabalhadores

Postado em 25 de agosto de 2016

thumbnail_20160824174653_IMG_7821
image-54968

O governador Paulo Câmara recebeu nesta quarta-feira (24.08), no Palácio do Campo das Princesas, as diretorias do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplanagem em Geral do Estado de Pernambuco (Sintepav-PE) e da União Geral dos Trabalhadores (UGT).

Durante o encontro, o governador de Pernambuco assegurou seu apoio à pauta apresentada pelos trabalhadores e se comprometeu em tratar das questões relativas ao Governo Federal. Além de firmar parcerias para a qualificação profissional de trabalhadores, Paulo e os sindicalistas já acertaram uma nova conversa para o mês de outubro.

Foto: Aluísio Moreira/SEI




SESI AGO2016

Melancolia e promessas de luta nos atos de Dilma antes do julgamento

Postado em 25 de agosto de 2016

dilma
image-54965

André de Oliveira e Afonso Benites, El País

No alto do palanque, sentada entre a filósofa Marilena Chauí e o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), Dilma Rousseff aparentava calma e tranquilidade. Levantava a todo instante para receber presentes vindos da plateia: cartas, livros, camisetas, um origami. Quando gritavam seu nome, ou alguém chamava sua  atenção, retribuía com sorrisos, acenos e as mãos unidas em forma de coração.

A poucos dias do desfecho definitivo do processo de impeachment, a presidenta afastada subiria pouco depois ao palco, num auditório na capital paulista, para reafirmar que é honesta, que não há uma acusação contra ela e que ela irá ao Senado apresentar sua defesa. “Não porque eu acredite nos meus olhos bonitos, mas pela democracia”, disse sorrindo. A frase resume um pouco o tom geral do “Ato contra o golpe, em defesa da democracia e dos direitos sociais”, organizado pelos movimentos suprapartidários de esquerda Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo, nesta terça à noite. Apesar de lotado pela militância e de uma atmosfera de otimismo, praticamente todas as falas, incluindo a de Dilma, pareciam apontar mais para reafirmação de que é vítima golpe e para questões futuras – como a possibilidade de cortes expressivos em gastos sociais – do que para a reversão de sua saída do poder que, para a maior parte dos analistas e políticos, já está praticamente consumado.

Desde que foi afastada da presidência, em 12 de maio, Dilma participou de cerca de uma dezena de mobilizações em diferentes cidades brasileiras. As viagens, batizadas de “Jornada pela Democracia”, foram possibilitadas graças a uma vaquinha virtual que arrecadou cerca de 800 mil reais em um curtíssimo espaço de tempo. A facilidade com que o dinheiro foi levantado, contudo, nunca se reverteu em uma força capaz de inflamar as ruas em defesa do mandato da presidenta afastada. Os meses passaram, os Jogos Olímpicos passaram, a hora decisiva sobre o impeachment chegou e a temperatura das mobilizações é visivelmente mais fria hoje do que foi em outros momentos da crise política em que o país mergulhou desde fevereiro de 2015. Nesta quarta, véspera do início da maratona do Senado que deve durar ao menos até ao menos a madrugada de terça, a presidenta afastada foi a mais um evento, no Sindicato dos Bancários, em Brasília. Chegou escudada de ex-ministros que permaneceram no seu entorno, como Jaques Wagner (PT-BA) e Miguel Rossetto (PT-RS) e discursou diante de sua emblemática foto sendo interrogada por militares, aos 22 anos, subjugada à Justiça de exceção da ditadura. “Se considerarmos a democracia uma árvore, um golpe militar é como um machado, que destrói os galhos da árvore, o Governo e um regime inteiramente. (…) Se as instituições democráticas estão de pé, o que é isso que está acontecendo? É um golpe em que o ataque à árvore é feito por parasitas que tomam conta de diferentes instituições.”




SESI AGO2016

“ProRural fortalece relações entre órgãos do Governo e produtores familiares”

Postado em 25 de agosto de 2016

proruralDSC_7786
image-54962

Com o objetivo de promover mais integração institucional entre os órgãos do governo com capacidade para apoiar e fomentar a agricultura familiar, o ProRural realizou nesta quarta-feira (24), na sede do Programa, encontro com a direção e técnicos da Agência de Fomento do Estado de Pernambuco (AGEFEPE) e representantes de associações, cooperativas e conselhos rurais que têm necessidades financeiras para alavancar produção e negócios nas áreas de apicultura, caprinovinocultura, piscicultura, bovinocultura e grãos, entre outros.

A ideia é unir forças para desencadear um processo de fortalecimento da gestão dos projetos acompanhados pelo ProRural, para que tenham mais sustentabilidade e capacidade para crescer e alcançar novos mercados em todas as regiões do estado. Sendo assim, os projetos produtivos financiados pelo Governo de Pernambuco, com verba do Banco Mundial, poderão também buscar financiamento da AGEFEPE para que tenham, por exemplo, capital de giro que possibilite maior concorrência para suas produções.

Segundo o diretor geral do ProRural, Anselmo Pereira, o Programa conhece o potencial da agricultura familiar no Estado de Pernambuco e entende a necessidade de unir os órgãos de apoio aos produtores. “Muitas instituições do Estado atuam em benefício do agricultor familiar. Se trabalharmos juntos, essa gama de produtos e serviços disponibilizados para o produtor dará muito mais força e estabilidade aos projetos, e assegurará que os investimentos apoiados pelo Estado tenham maior estabilidade”.

Para o presidente da Agência, Jackson Rocha, com a capilaridade e a descentralização das ações que o ProRural promove em todo o Estado, será um grande parceiro da AGEFEPE no desenvolvimento e fomento da agricultura familiar em Pernambuco. “Esse trabalho em conjunto certamente será um instrumento propulsor de sucesso dos projetos financiados pelo ProRural”.  Durante o encontro, a Agência apresentou as formas de financiamentos e apoio que poderá disponibilizar para os produtores e já montou agenda de visitas as associações interessadas no repasse de verbas.

O presidente da Cooperativa de Caprinos de Iguaraci, Demétrios Oliveira, que já iniciou as negociações com a AGEFEPE, acha importante a parceria proposta pelos órgãos. “Enquanto o ProRural entra com o financiamento de projeto de construção de uma agroindústria ou compra de equipamentos, por exemplo, a AGEFEPE vai nos ajudar com uma necessidade que é comum a todos, o capital de giro. Então eles se complementam e fica muito mais fácil para o produtor”.




SENAI AGO2016

Processo de impeachment de Dilma chega à etapa final após 9 meses

Postado em 25 de agosto de 2016

78d55609e2b475f882759e6955311794
image-54959
Julgamento de Dilma Rousseff tem início na manhã desta quinta-feira.
Etapa inicial será de depoimentos; Dilma deve falar na próxima segunda.
Gustavo Garcia
Do G1, em Brasília
O Senado inicia nesta quinta-feira (25) o julgamento do impeachment de Dilma Rousseff. A abertura da sessão está prevista para as 9h sob o comando do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que também preside o processo de impedimento da presidente afastada.

No primeiro momento da sessão, Lewandowski responderá às chamadas “questões de ordem” – questionamentos de senadores sobre procedimentos do julgamento e etapas do processo.

Depois disso, começarão a ser ouvidas as testemunhas. São oito ao todo, duas escolhidas pela acusação e seis pela defesa.

Todas elas estão isoladas, individualmente, em quartos de um hotel na região central de Brasília – sem acesso à Internet, televisão, telefone e visitas – à espera do momento em que serão interrogadas pelos senadores.

Testemunhas da acusação
As primeiras testemunhas a serem ouvidas nesta quinta são as de acusação. Os autores da denúncia – os juristas Miguel Reale Júnior, Janaína Paschoal e Hélio Bicudo – selecionaram o procurador Júlio Marcello de Oliveira, representante do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU); e o auditor de fiscalização do TCU Antônio Carlos Costa D’ávila. Eles serão ouvidos nessa ordem.

Ambos já foram ouvidos pela Comissão Especial do Impeachment do Senado, durante a segunda etapa do processo, chamada de “pronúncia”, que concluiu que Dilma deveria virar ré e ser julgada pelo plenário da Casa.

Na ocasião, Júlio Marcello disse que o governo da presidente afastada praticou “fraude” nas contas públicas e fez “contabilidade destrutiva”. Na mesma linha, Antônio D’ávila afirmou que os atos da gestão Dilma Rousseff contrariavam a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Não há um prazo pré-determinado para a duração dos depoimentos das testemunhas. Isso dependerá do número de senadores que farão questionamentos.

Testemunhas da defesa
Ouvidas as testemunhas de acusação, será a vez dos depoimentos das pessoas convocadas pela defesa de Dilma Rousseff. De acordo com o andamento da sessão, esses depoimentos podem ter início nesta quinta ou ficar para o dia seguinte.

A defesa relacionou seis testemunhas:
– o ex-secretário-executivo do Ministério da Educação Luiz Cláudio Costa:
– o economista Luiz Gonzaga Belluzzo;
– o ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa;
– a ex-secretária de Orçamento Federal Esther Dweck;
– o professor de direito da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) Ricardo Lodi Ribeiro;
– o professor de direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Geraldo Prado.

Eles responderão aos questionamentos nessa sequência.

Somente Belluzzo não prestou depoimento na Comissão Especial do Impeachment. Os demais apresentaram ao colegiado argumentos a fim de descaracterizar a prática de crime de responsabilidade por parte de Dilma Rousseff.

Roteiro da sessão
A sessão desta quinta tem dois intervalos programados. O primeiro deles das 13h às 14h. O segundo, de 18h a 19h.

Depois disso, a sessão poderá ser interrompida por 30 minutos a cada quatro horas ou a critério de Lewandowski.

A expectativa de técnicos do Senado é que o magistrado suspenda a sessão por volta das 22h e a retome às 9h de sexta para dar continuidade aos depoimentos.

A intenção do STF é finalizar a fase das testemunhas na sexta-feira, mas é possível que os depoimentos avancem pelo final de semana, mas sem ultrapassar o domingo (veja o cronograma completo do julgamento).

Isso porque, na segunda-feira (29), está prevista a participação de Dilma Rousseff no julgamento. Ela terá 30 minutos prorrogáveis por tempo indeterminado para fazer um pronunciamento e depois responderá às perguntas dos senadores.

Acusações e defesa
Dilma é acusada de ter cometido crimes de responsabilidade ao editar três decretos de crédito suplementar sem a autorização do Congresso Nacional e ao atrasar pagamentos, da União para o Banco do Brasil, de subsídios concedidos a produtores rurais por meio do Plano Safra, as chamadas “pedaladas fiscais”.

Para a acusação, a edição dos decretos comprometeu a meta fiscal, o que é vedado pela Lei Orçamentária Anual.

Os denunciantes também dizem que as “pedaladas” configuram tomada de empréstimo pela União com instituição financeira que controla, o que é proibido pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Já a defesa, comandada pelo ex-ministro José Eduardo Cardozo, sustenta que a edição dos decretos foi um remanejamento de recursos, sem impactos na meta fiscal.

Cardozo também alega que não houve má-fé da presidente na edição dos decretos. Com relação às “pedaladas”, a defesa diz que não são empréstimos, mas sim prestações de serviços e que Dilma não teve participação direta nos atos.

Votos
Para que o impeachment seja aprovado são necessários os votos de pelo menos 54 senadores. Nesse caso, a petista será afastada definitivamente da Presidência da República e ficará inelegível por oito anos, a partir de 2019.

Caso o placar de 54 votos a favor do impeachment não seja alcançado, o processo é arquivado e Dilma Rousseff reassume a Presidência de imediato.

O processo
O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) informou que havia autorizado a abertura do processo de impeachment de Dilma na Câmara no dia 2 de dezembro de 2015.

A defesa de Dilma diz que a decisão de Cunha foi uma “vingança”, uma vez que, naquele mesmo dia, o PT havia anunciado que votaria contra Cunha no processo de cassação do seu mandato no Conselho de Ética da Câmara.

O peemedebista deu andamento a denúncia de Miguel Reale Júnior, Janaína Paschoal e Hélio Bicudo que diz que Dilma cometeu crime de responsabilidade ao editar decretos e ao praticar “pedaladas”. A denúncia dos juristas foi protocolada no dia 21 de outubro do ano passado.

Desde a decisão de Cunha, Dilma sofreu sucessivas derrotas no processo que chega à última etapa nove meses após a autorização da abertura do processo pelo deputado.

O processo
O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) informou que havia autorizado a abertura do processo de impeachment de Dilma na Câmara no dia 2 de dezembro de 2015.

A defesa de Dilma diz que a decisão de Cunha foi uma “vingança”, uma vez que, naquele mesmo dia, o PT havia anunciado que votaria contra Cunha no processo de cassação do seu mandato no Conselho de Ética da Câmara.

O peemedebista deu andamento a denúncia de Miguel Reale Júnior, Janaína Paschoal e Hélio Bicudo que diz que Dilma cometeu crime de responsabilidade ao editar decretos e ao praticar “pedaladas”. A denúncia dos juristas foi protocolada no dia 21 de outubro do ano passado.

Desde a decisão de Cunha, Dilma sofreu sucessivas derrotas no processo que chega à última etapa nove meses após a autorização da abertura do processo pelo deputado.




SESI AGO2016

48% consideram governador regular

Postado em 25 de agosto de 2016

Leo Motta/arquivo folha

Gestão de Paulo Câmara é considerada boa por 15%

A pesquisa Ibope também conferiu o que o recifense pensa do governo de Paulo Câmara (PSB). A avaliação mostra que a maior parte dos entrevistados considera a gestão do socialista “regular” (48%). Em seguida, está o público que classifica a atuação dele como “péssima” (18%). Os que a classificam de “boa” somam 15%. Já a classificação “ruim” registra 11%, enquanto “ótima” aparece em último lugar, com 4%. Não souberam ou não responderam a pesquisa 5% das pessoas.

Os homens são maioria dos que classificam o governador como regular, com 50%. Já as mulheres estão entre os que classificam o trabalho do governador como “péssimo”, 18%, e “ótimo”, com 4%.

No que se refere à idade, os que têm mais de 55 anos são os que consideram a gestão regular (50%), enquanto o menor índice (46%) compreende os que estão entre 16 a 24 anos e 25 a 34 anos. O público que tem idade entre 35 e 44 anos é o maior entre os que classificam como “péssima” a administração de Câmara (22%).

Quanto à escolaridade, 51% dos entrevistados que possuem o ensino médio avaliam a gestão como “regular” e, até a quarta série do fundamental, são 41% que consideram regular. Já os que possuem o ensino superior completo, 19% consideram ruim e 17% consideram péssimo, enquanto entre os eleitores que têm até a quarta série do fundamental, 24% consideram péssimo.

Quanto à renda familiar, 56% dos entrevistados com mais de 5 salários mínimos avaliam a administração de Câmara como “regular”, enquanto 1% do mesmo público opina na qualificação “ótima”. Câmara enfrenta rejeição mais elevada entre os entrevistados que têm entre 1 e dois salários mínimos (19% péssimo e 11% ruim) e entre dois e cinco sálarios mínimos (17% péssimo e 13% ruim).

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, Waldemar Borges (PSB), diz que a avaliação foi positiva, diante da conjuntura de crise nacional que afeta os estados. Segundo ele, Paulo preservou o seu capital de apoio e terá condições para ampliar seu respaldo popular após a recuperação da economia brasileira. “A parcela majoritária está em uma posição que não é contrária ao governo”.




SENAI AGO2016

LUCAS RAMOS PRESTA TRIBUTO A ATLETAS OLÍMPICOS E PARALÍMPICOS PERNAMBUCANOS

Postado em 24 de agosto de 2016

Lucas na tribuna
image-54955

Parlamentar celebrou a conquista que é a própria participação de atletas e paratletas do Estado nas competições do Rio 2016

O deputado estadual Lucas Ramos (PSB) subriu à tribuna do Plenário da Assembleia Legislativa, na manhã desta quarta-feira (24), para homenagear os atletas olímpicos e paralímpicos que tão bem têm representado Pernambuco.

O parlamentar salientou o quanto os pernambucanos são vitoriosos por contar com 16 representantes nos Jogos Olímpicos Rio 2016, mais seis nos Jogos Paralímpicos, independentemente da conquista de qualquer medalha.

Lucas Ramos ainda frisou o importante apoio que o Governo do Estado – desde a gestão do saudoso governador Eduardo Campos, e na continuidade com o governador Paulo Câmara – tem dado na área de esportes, com mecanismos de incentivo como os programas Ganhe o Mundo Esportivo, Bolsa Atleta de Pernambuco, Time PE e Passaporte Esportivo; a reativação do Conselho Estadual de Esportes e Lazer; a Lei Estadual de Incentivo ao Esporte; os Jogos Escolares; os Jogos Abertos; os Jogos Indígenas; os Jogos Paralímpicos De Pernambuco; e os Jogos da Pessoa Idosa.

Receberam nominalmente os parabéns os atletas Dani Lins e Jaqueline (voleibol); Amanda Araújo e Cláudia Teles (rúgbi); Samira Rocha (handebol); Stéphane Vehrlé-Smith (hóquei sobre a grama); Joanna Maranhão e Etienne Medeiros (natação); Bárbara (futebol); Yane Marques e Felipe Nascimento (pentatlo moderno); Wagner Domingos, Keila Costa, Érica Sena e Cisiane Dutra (atletismo); e Teliana Pereira (tênis), além de Flávia Saraiva (ginástica), filha de um exuense e muito querida em nosso Estado.

Por fim, receberam votos de sucesso os paratletas Jeohsah dos Santos Bezerra, Jenifer Martins, Ana Cláudia Maria da Silva e Roseane Ferreira dos Santos, a Rosinha, do atletismo; Phelipe Andrews, da natação; e Raimundo Nonato Mendes, nosso representante orocoense da seleção brasileira de futebol 5, que a partir do dia 7 de setembro representerão Pernambuco nos Jogos Paralímpicos Rio 2016.

 

 




NAIPES