Flávio Leandro, Philarmônica 21 de Setembro e a capacidade de elevar o coração, alma e espírito da humanidade

Postado em 12 de junho de 2019 por Josélia Maria

Pela primeira vez o poeta cantador e compositor Flávio Leandro fez uma apresentação e foi tocado por uma orquestra com arranjos e regência. O espetáculo aconteceu na Concha Acústica de Petrolina, Praça da Catedral e contou com a formação completa da Philarmônica 21 de Setembro com 45 músicos. Detalhe: Na regência da Philarmônica o maestro Helio Lima. Presença de dois sanfoneiros: Genival do Cedro e Ivan Greg.Em vida o professor e maestro Radegundis Feitosa disse que “só os gênios poderiam através de sua performance esmerada, dedicada e criativa de instrumentistas e compositor, transformar, para melhor, os conceitos tradicionais do mundo da música.”Flávio Leandro proporcionou diante de um grande público, a maestria de mostrar em sua trajetória artística a capacidade criativa e original de movimentar as sequências harmônicas de suas composições, no tratamento contrapontístico sempre presente, no cuidado com os detalhes da orquestração.Os músicos da Philarmônica 21 de Setembro, mais o maestro, sanfoneiros e Flávio Leandro elevaram o conceito da música numa exibição de uma noite do mês de junho, nas margens do Rio São Francisco.

Dominguinhos, Sivuca e Luiz Gonzaga ao se apresentarem com orquestração completa se emocionaram. Dominguinhos chegou a chorar tamanho o sentimento quando introduziu a sanfona e suas músicas no universo sinfônico. Cissa Leandro, revelou que “tocar com a Philarmônica 21 de Setembro de tantas histórias no mundo da cultura e das artes é um privilégio e o encontro de Flávio Leandro foi tão emocionante, proporcionou tanta alegria e prazer e o público compreendeu a dimensão e essência das poesias e seus arranjos”.Aplaudido pelo público, Flávio Leandro, pensei, certamente, o poeta se fez som e essa mesma paixão, que arrebatava o menino nascido em Bodocó Pernambuco quando ouvia música no rádio da família, reverberou ainda mais forte nos acordes de sua música orquestrada.Flávio Leandro e a sua incansável disposição para aceitar desafios garantiu para os que se fizeram presentes saber das possibilidades da música de alto nível ser uma expressão capaz de elevar, alegrar o coração, alma e espírito da humanidade.Segundo o maestro Hélio Lima, o concerto é para reafirmar as raízes nordestinas e a força da cultura no cenário brasileiro. O concerto teve a coordenação da secretaria-executiva de Cultura de Petrolina e da Fundação Nilo Coelho.*Ney Vital-Jornalista. PósGraduado em Ensino de Comunicação Social. Especialista em Cultura e História.



[LoginRadius_Share]