Barroso nega pedido para anular buscas da PF em gabinete de líder do governo no Senado

Postado em 13 de fevereiro de 2020 por Josélia Maria

Por Rosanne D’Agostino, G1 — Brasília

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido da defesa do líder do governo no Senado, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), para anular as buscas feitas no ano passado pela Polícia Federal no gabinete do parlamentar.

Fernando Bezerra foi alvo da Operação Desintegração, que investiga suposto pagamento de propina ao parlamentar. A PF recolheu materiais no gabinete do senador e também em casas dele. A operação foi autorizada por Barroso.

A defesa do senador afirma que os policiais deixaram de fundamentar as apreensões de todos os objetos e documentos levados. Inicialmente, também tinha questionado a apresentação da íntegra da decisão que autorizou a operação, mas retificou essa informação.

PGR considera legal operação da PF no Gabinete do Líder do Governo no Senado

PGR considera legal operação da PF no Gabinete do Líder do Governo no Senado

Na decisão, Barroso afirma que somente foram apreendidos objetos relevantes à investigação. “Finalizada a perícia, verificou-se que, de fato, havia elementos relevantes para a investigação nas mídias apreendidas”, afirmou o ministro.

Barroso diz ainda que a PF relatou ter encontrado planilhas no computador utilizado pela chefe de gabinete de Bezerra, Maria Adyleane, que podem indicar que a Bari Automóveis Ltda., uma das empresas utilizadas para o suposto repasse de valores no esquema investigado, pertenceria, na verdade, ao senador.

“Tais indícios se reforçam por diálogos verificados em um dos celulares apreendidos entre o Senador e seu primo Lauro Coelho – o que demonstra, igualmente, a relevância da medida”, diz Barroso.

“As especificações constantes da decisão por meio da qual autorizei a busca e apreensão tinham por objetivo evitar que a medida cautelar promovesse interferência indevida nos gabinetes no Senado Federal. Essa finalidade foi plenamente atingida, na medida em as autoridades policiais foram bastante cautelosas na seleção e apreensão do material, bem como na apresentação das respectivas justificativas”, completou o ministro.




[LoginRadius_Share]