Weintraub é confirmado como diretor no Banco Mundia | Blog da JoséliaBlog da Josélia

Weintraub é confirmado como diretor no Banco Mundia

Postado em 31 de julho de 2020 por Josélia Maria

Abraham Weintraub

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub foi confirmado nesta quinta-feira (30) como diretor executivo do conselho do Banco Mundial. Weintraub foi indicado para o cargo pelo governo brasileiro depois de deixar o MEC, em junho, após uma gestão turbulenta e uma saída repentina do país rumo aos EUA. Segundo o comunicado da instituição, Weintraub “deve assumir seu cargo na primeira semana de agosto e cumprirá o atual mandato que termina em 31 de outubro de 2020, quando a posição será novamente aberta para eleição”. O banco diz também que “diretores executivos não são funcionários do Banco Mundial. Eles são nomeados ou eleitos pelos representantes dos nossos acionistas.”

Lava Jato

Os integrantes da força-tarefa da Lava Jato no Rio encaminharam ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de reconsideração da decisão do ministro Dias Toffoli, presidente da Corte, que determinou a entrega de todos os documentos relacionados à operação, informou o colunista Fernando Molica. A ordem de Toffoli é válida para as forças-tarefas também instituídas no Paraná e em São Paulo e atendeu a um pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR). No documento, os integrantes do Ministério Público alegam, entre outros pontos, que o “acesso indiscriminado a elementos de provas” ofende o direito à privacidade e à intimidade e aumenta as chances de vazamentos prejudiciais às investigações. A PGR, por sua vez, encaminhou ao STF um documento que detalha o cofre no qual deverão ficar os dados das investigações de todo o país — que o procurador-geral, Augusto Aras, pretende criar. No documento, ao qual o âncora Caio Junqueira teve acesso, a Secretaria de Perícia, Pesquisa e Análise da PGR diz que os dados só serão acessados pelo gabinete de Aras.

Covid-19

Apenas um em cada três profissionais de saúde foi testado para Covid-19, de acordo com levantamento divulgado nesta quinta-feira (30) pelo Núcleo de Estudos da Burocracia (NEB), da Fundação Getulio Vargas (FGV). Segundo documentos internos do Ministério da Saúde aos quais o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso, a pasta ainda guarda em seus estoques 9,85 milhões de testes de Covid-19. O número é quase o dobro dos cerca de 5 milhões de unidades entregues até agora pelo governo federal aos estados e municípios. O principal motivo para os testes estarem parados nas prateleiras do ministério é a falta de insumos usados em laboratório para processar amostras de pacientes. Segundo informam secretários de saúde, não adianta só enviar o exame, também é preciso distribuir reagentes específicos. Até esta quinta-feira (30), o país havia registrado 2.610.102 casos e 91.263 vítimas fatais do novo coronavírus.

Reforma tributária

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), respondeu críticas feitas por integrantes do governo nos bastidores de que ele impede o avanço do debate sobre um novo imposto relacionado às transações digitais, nos moldes da antiga CPMF. Em entrevista exclusiva à CNNMaia negou que impeça o progresso do debate e cobrou que o governo envie as propostas que deseja aprovar ao Congresso Nacional para que os assuntos possam ser colocados em discussão na Casa. Prestes a enviar ao Congresso proposta para a criação do novo imposto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira (29) que não haverá aumento da carga tributária com a aprovação da reforma. Ele acenou com o aumento da faixa de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), hoje prevista para quem ganha até R$ 1.900 por mês, para ter apoio ao novo tributo.

Geraldo Alckmin

A Justiça Eleitoral em São Paulo aceitou denúncia contra o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB). O tucano é acusado de falsidade ideológica eleitoral (caixa dois), corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A promotoria acusa o político de ter recebido R$ 2 milhões em espécie da Odebrecht na campanha ao governo de São Paulo em 2010 e mais R$ 9,3 milhões quatro anos depois, quando foi reeleito. A acusação também envolve mais oito pessoas. De acordo com o juiz eleitoral, o Ministério Público Eleitoral apresentou indícios suficientes de materialidade dos crimes supostamente cometidos pelo tucano. Em nota, a defesa de Alckmin afirmou que “a denúncia ora recebida pelo Poder Judiciário dará a oportunidade que foi até agora negada ao ex-governador Geraldo Alckmin de se defender e de contraditar as falsas e injustas acusações de que está sendo vítima e, principalmente, de provar a sua improcedência”.


Fonte:CNN



[LoginRadius_Share]