Cancelamento do carnaval repercute na Alepe

Cancelamento do carnaval repercute na Alepe

A não realização do carnaval e os consequentes prejuízos para os trabalhadores da festa foram o destaque na Reunião Plenária da Alepe desta quinta. O caráter histórico do cancelamento da folia carnavalesca foi registrado por João Paulo, do PCdoB, que defendeu a necessidade da medida. “A imagem de Recife e de Olinda, com seus tambores e clarins silenciosos e ruas vazias, certamente ficará marcada para sempre. Mas há um motivo justo e correto para não seguirmos atrás dos blocos este ano: a necessidade, diante desta pandemia, de nos preservarmos para as festas do ano que vem e das próximas que virão, longe do vírus e da incompetência governamental para contê-lo”.

A ampliação do auxílio emergencial do Governo do Estado para artistas e agremiações carnavalescas, no valor de 3 milhões de reais, foi tema de debate. Jo Cavalcanti, do mandato coletivo Juntas, do PSOL, afirmou que a iniciativa não é suficiente.“É importante, senhores deputados, destacar que esses três milhões são ainda um valor muito baixo para garantir esse auxílio. A Prefeitura do Recife vai alocar 4 milhões para um auxílio destinado à Capital, e o governador está destinando três milhões para o Estado todo? Que conta é essa que não fecha?”.

Teresa Leitão, do PT, fez um apelo para que o Governo do Estado ouça os segmentos afetados pela não realização do carnaval para dimensionar corretamente o auxílio necessário. Ela informou que a Comissão de Educação e Cultura da Alepe já manifestou apoio à realização de uma audiência pública para discutir o tema.

Em resposta, a deputada Laura Gomes, do PSB, lembrou da dimensão da crise pela qual passa o Estado, com 1500 pessoas internadas em UTIs e a necessidade de reduzir a previsão orçamentária de todas as áreas.

Presidindo os trabalhos, o segundo secretário da Casa, deputado Pastor Cleiton Collins, do PP, ressaltou que a Alepe dará o exemplo de respeito às normas de segurança durante o carnaval, pois manterá a programação normal de atividades durante a próxima semana.

A defesa dos direitos da mulher também foi discutida. Laura Gomes defendeu que a legislação estadual garanta que mulheres que tiveram a gestação interrompida tenham direito à licença-maternidade de 120 dias, conforme já previsto pela legislação federal. A parlamentar informou que será realizada uma audiência pública para discutir o tema na Assembleia, no início de março.

Já Simone Santana, do PSB, lamentou um duplo feminicídio, ocorrido no Pará, que vitimou a pernambucana Jéssica Mesquita, de 27 anos. A deputada observou que o caso é mais um em que o fim de um relacionamento abusivo não é aceito pelo homem, o que demonstra como o machismo promove a violência contra a mulher.

Diogo Moraes, do PSB, parabenizou o governador Paulo Câmara pelo pagamento do 13º do Bolsa Família. O deputado destacou que o total desembolsado pelo Estado chega a 150 milhões de reais, que vão beneficiar mais de 1 milhão de famílias em todas as regiões de Pernambuco.

José Queiroz, do PDT, afirmou que a bancada de deputados estaduais que representam o município de Caruaru, no Agreste Central, está somando esforços para que o fechamento da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, a Fafica, seja revertido. José Queiroz também criticou a aprovação, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que reforça a autonomia do Banco Central, o que, segundo ele, representa a subserviência ao sistema financeiro internacional e a perda da soberania nacional.

Doriel Barros, do PT, comemorou os 41 anos do Partido dos Trabalhadores. O parlamentar destacou o legado petista na redução da pobreza e na elevação dos investimentos em saúde e educação. Doriel afirmou ainda que as recentes revelações sobre os bastidores da Operação Lava Jato comprovam que o partido foi alvo de uma perseguição com fins políticos.

Isaltino Nascimento, do PSB, leu um texto da doutora em História Social, Denise De Sordi, que alerta para a desarticulação das políticas sociais no País. Segundo a pesquisadora, o autocadastramento do auxílio emergencial, apesar de revelar novos grupos vulneráveis, pode representar, no futuro, o descarte do CadÚnico, o que afetaria a rede protetiva de combate à fome no Brasil. [DI 2:12’00”] “É este nível de atuação municipal, por fim, que permite a manutenção de sistemas de Busca Ativa, pelos quais o Estado procura ativamente as pessoas que necessitam dos programas, mas por diferentes motivos, ainda não são atendidas por eles. Permitir o desmonte desta rede é assumir que estamos dando muitos passos atrás, cada vez mais próximos do retorno ao Mapa da Fome”.

Tony Gel, do MDB, registrou os falecimentos do senador José Maranhão, do MDB da Paraíba, e da mãe do deputado federal Renildo Calheiros, do PCdoB de Pernambuco, Ivanilda Vasconcelos Calheiros. Os deputados observaram um minuto de silêncio em homenagem a ambos.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar