Responsável por redução de 75% dos sinistros de trânsito, Zona 30 da Ilha do Leite ganha novas intervenções

Responsável por redução de 75% dos sinistros de trânsito, Zona 30 da Ilha do Leite ganha novas intervenções

Área vai ter a sinalização requalificada após o recapeamento das vias, realizado pela Emlurb. Praça Miguel de Cervantes vai receber ordenamento de trânsito e ampliação das áreas de pedestres com uso de urbanismo tático para induzir os condutores à adequação de velocidade

 

Com o objetivo de aumentar a segurança viária, o conforto e o espaço para os pedestres no entorno da Praça Miguel de Cervantes, na Ilha do Leite, a Prefeitura do Recife, por meio da Secretaria de Política Urbana e Licenciamento (Sepul) e da Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), vai implantar, a partir da terça-feira (24), uma nova sinalização de urbanismo tático para ordenar o fluxo de veículos e melhorar a qualidade da travessia dos pedestres com novas opções e ampliação de calçadas com a sinalização. O projeto foi desenvolvido em parceria com a Iniciativa Bloomberg de Segurança Viária Global (BIGRS). Em 2019, a região teve a velocidade máxima regulamentada adequada para 30 km/h, devido ao grande número de pedestres, especialmente crianças e idosos. A intervenção resultou na redução de 75% dos sinistros de trânsito com vítimas após a implantação. Agora, o projeto vai ampliar a sinalização para ordenamento do trânsito e induzir ainda mais à velocidade adequada da via para proporcionar mais segurança viária.

As equipes técnicas da CTTU realizaram uma pesquisa observacional no local e identificaram caminhos realizados pelos pedestres que ainda não tinham travessia, fazendo essas pessoas se locomoverem pelo leito viário, o que causa o risco de sinistros de trânsito. Por isso, o projeto vai aumentar a oferta de travessias de acordo com a linha de desejo dos que estão a pé, além de aumentar a rotatória, tanto para dar mais áreas para os pedestres, quanto para diminuir o raio de giro dos condutores motorizados e, dessa forma, induzir à redução de velocidade. Outro benefício da implantação é a requalificação entre as rotas cicláveis Francisco Alves e José de Alencar, que era feita por ciclorrota (espaço compartilhado entre carros, motos e ciclistas, todos com velocidade a 30 km/h) e, agora, será com ciclofaixa (espaço demarcado na via com uso de tinta e tachões).

Para realizar a implantação, a CTTU realizou uma operação de simulação com cones, além do diálogo com cidadãos que transitam no local. O projeto foi bem aceito pelas pessoas, especialmente as que transitam a pé na região, que são os mais frágeis no trânsito. As melhores práticas de segurança viária instituídas em documentos como o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e o Guia Global de Desenho de Ruas instituem as prioridades nos sistemas viário de forma que os não motorizados devem ser mais protegidos. “Proteger pedestres e ciclistas é tornar o trânsito mais seguro para todas as pessoas.” afirma Beatriz Rodrigues, coordenadora local no Brasil da GDCI (Global Designing Cities Initiative), instituição de referência em mobilidade urbana e desenho de ruas. “Como parte do projeto da Ilha do Leite consideramos como o desenho da rua poderia beneficiar mais as pessoas e não só os veículos. Proteger usuários vulneráveis e reduzir o limite de velocidade para 30km/h são algumas maneiras de fazer isso, e essas alterações vão tornar o trânsito na região mais seguro para todos.”

“Essa é uma área que reúne pessoas idosas, com deficiência ou mobilidade reduzida e, ainda, crianças, porque a Ilha do Leite é um grande pólo médico e concentra muitas áreas escolares. Então voltamos aqui para aumentar ainda mais a segurança viária com a presença forte da sinalização. Estamos profundamente felizes com o resultado da Zona 30 em reduzir 75% das vítimas feridas nessa área e isso se dá com o apoio da população, que obedece à sinalização implantada. Mas queremos, agora, zerar o índice de sinistros com vítimas e por isso voltamos para melhorar ainda mais as condições de segurança viária nesse local”, explica a presidente da CTTU, Taciana Ferreira.

A adequação de velocidade nas vias é uma das metas estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para reduzir em 50% as vítimas de sinistros de trânsito nesta década (2021-2030). Isso porque, de acordo com a OMS, a velocidade é o principal fator de risco em metade das mortes no trânsito. Em 2021, o prefeito João Campos fez o compromisso ao aceitar o desafio da meta da OMS de implementar políticas públicas para mobilidade sustentável durante a 2ª Década da Segurança Viária implementada pela ONU. Desde então, a gestão de trânsito vem implantando medidas que fazem o Recife diminuir continuamente as mortes no trânsito.

Todas as áreas da gestão de trânsito combatem o excesso de velocidade para salvar vidas. Na gestão de dados, as estatísticas são enviadas aos diversos setores para planejamento estratégico das atuações. No que diz respeito à fiscalização, a CTTU intensificou os equipamentos eletrônicos, especialmente em áreas como as avenidas Norte e Agamenon Magalhães, que são os locais com mais registros de vítimas fatais. Em paralelo às ações de fiscalização, o setor de educação realiza campanhas contínuas para conscientizar os condutores sobre as condutas seguras no trânsito. No eixo de engenharia, as vias são redesenhadas para induzir os condutores à adequação de velocidade.

ZONA AZUL – O entorno da área da Praça Miguel de Cervantes e da Rua Capitão José da Luz vai contar com estacionamento Zona Azul a partir da terça-feira (24). Ao todo, serão 88 vagas rotativas para garantir que mais pessoas utilizem o espaço público. Os condutores poderão permanecer por duas horas no local, podendo renovar o ticket uma vez.

Artigos relacionados

Fechar