Destaques

CURSO DE LEITURA DINÂMICA E MEMORIZAÇÃO COM PNL

Elimine vícios que atrasam a sua leitura; Aumente em até 4x mais a velocidade da leitura com total ...

Papa Francisco pede que o mundo enfrente Bolsonaro e salve a Amazônia

Conexão Jornalismo Em mensagem publicada nesta quinta-feira (22) no jornal La Stampa, o papa Franci ...

Parabéns Doutor Júlio Lóssio

Hoje é dia de parabenizar o ex-prefeito e médico oftalmologista Doutor Júlio Lóssio. Que Deus te ...

A hora de FBC virar cangaceiro

Postado em 1 de abril de 2013 por Josélia Maria

image-7274
Por Fernando Castilho, do JC Negócios, especial para o Blog de Jamildo

Roberto Magalhães era candidato ao Senado e seu vice, Gustavo Krause, estava assumindo o governo de Pernambuco quando Fernando Bezerra Coelho comunicou a decisão de sair do PFL para o PSB de Miguel Arraes.

O primeiro time da política pernambucana conversou com Bezerra Coelho (não havia ainda a sigla pessoal FBC) e perguntou: O que ele iria fazer do outro lado? Ser uma espécie de jagunço de Doutor Arraes?

A todos com quem conversou Fernando contra-argumentou: Deste lado não tenho perspectivas. Estarei na fila de Marco Maciel, Roberto Magalhães, Joaquim Francisco, Ricardo Fiúza, Inocêncio Oliveira, entre outros.

Não ouviu os conselhos de gente mais velha (Fernando tinha apenas 28 anos e já fora líder do Governo Roberto Magalhães na Assembleia Legislativa), que insistiam: Bezerra Coelho era o melhor quadro que o campo da direita produzira depois de Nilo. Bem nascido, bem formado, articulado e com extraordinária capacidade de perceber o todo. Era membro de uma família com tradição de poder político, poder econômico. E era jovem, portanto, tinha tempo. De vários integrantes ouviu a mesma advertência: Nesse estado, a política não premia quem muda de lado.
Fernando foi.

Não foi só, porque saiu junto com seu pai, Paulo Coelho quando estava se desenhando o racha da família que naquele momento era liderada politicamente apenas pelo deputado Osvaldo Coelho.

Foi e ao longo dos anos viu a profecia dos caciques do PFL quase virar uma maldição. Não que tenha sido de todo ruim. Com o passar dos anos, ele passou a comandar uma banda do grupo político sertanejo dos Coelhos. Mesmo que tivesse em várias vezes batidos de frente com a outra parte de sua família liderada pelo velho Tio Osvaldo.

Numa delas, perdeu a Prefeitura de Petrolina para o novato Guilherme, filho de Osvaldo e escolhido para a disputa quase para não perder por W.O. devido à falta de quadros. Nesta eleição, tornou-se conhecida uma das mais hilárias histórias da política do Vale do São Francisco embora não se saiba se aconteceu de fato.

Ela diz que quando Fernando atacou Guilherme num palanque perguntando quem era aquele que chegava de fora e já queria ser prefeito de sua querida Petrolina, foi interrompido por um bêbado embaixo do palanque que teria fuzilado:

Conversa, Fernando, todo mundo sabe que Guilherme é teu primo.

Ao longo dos anos, no espectro político, Fernando Bezerra Coelho já foi quase tudo. Entrou no PSB de Arraes, no PMDB de Jarbas, no PPS de Roberto Freire, para onde foi junto com João Lyra, até voltar para o PSB de Eduardo Campos que herdara a sigla do avô.

Nessa peregrinação ele foi quase um hebreu no deserto servindo ao campo da esquerda. Ganhou e perdeu eleição em Petrolina até que veio para Recife virar secretário de Eduardo, mas sempre mirando no Palácio do Campo das Princesas que sempre julgou ser seu destino. Mudava de rota, mas não mudava de rumo.

Quando Eduardo Campos venceu a eleição, para quem trabalhou feito um escravo, Fernando recebeu a secretaria de maior visibilidade e certamente a que mais próximo deu-lhe condições de uma disputa com chances na majoritária.

Era bem diferente da candidatura de vice-governador para o qual foi escalado pelo velho Miguel Arraes que tentava um quarto mandato sabendo que iria perder. Desta vez, estava na vitrine de um Pernambuco apoiado por Lula que descobrira o governador Eduardo Campos gestor e se apaixonara por ele.

Fernando virou secretário e seu deu bem. Virou nome conhecido no estado todo. Prometeu mais indústrias do que qualquer outro podia prometer. E entregou boa parte delas ainda no primeiro mandato.

Virou figurinha carimbada em Brasília pela capacidade de lançar projetos e desenhar cenários. Lula não vinha ao Nordeste sem chamá-lo para estar presente ao lado de Eduardo Campos. Fernando virou um nome conhecido de Lula e até com trânsito no PT nacional.

Ah, no meio dessa conversa virou presidente do Santa Cruz e articulou com Ricardo Teixeira, uma complicada operação de resgate de Pernambuco à lista de cidades que poderiam sediar a Copa do Mundo de 2014 cuja realização de um jogo da Seleção Brasileira no Recife selou a candidatura da cidade.

Fernando Bezerra conseguiu viabilizar uma restauração relâmpago no Estádio do Arruda que fez a Fifa elogiar a organização. Fernando virou o FBC das torcidas organizadas, mesmo que o Santinha tenha continuado na terceira divisão.

Quando veio a campanha da reeleição de Eduardo Campos, FBC apostou tudo na vaga que hoje é de Armando Neto. Achava que Humberto estava eleito na vaga de Sérgio Guerra que decidiu ser deputado federal e que a de Marco Maciel poderia ser sua. Eduardo seria reeleito e a vaga no Senado lhe cacifaria para 2014.

Esqueceu-se de combinar com o governador. Eduardo costurou a chapa com Humberto e Armando Neto. FBC, mais uma vez, ficou na reserva lembrando a profecia dos caciques do PFL nunca verbalizada de fato: quem nasceu para jagunço não vira chefe de bando de cangaceiro.

Mas, Eduardo pagou-lhe a conta do sacrifício. Fez a presidente Dilma Rousseff dar-lhe um ministério onde poderia rodar o Brasil e o Nordeste. Era uma tranqueira com as confusões da Transposição e da Transnordestina, mas FBC com o passar dos anos tinha virado especialista nisso. Pouca gente discorda que FBC não seja um trator que roda 20 horas por dia, sete dias por semana. É verdade que não guarda dois minutos de segredo de ninguém se tiver uma notícia para dar a um jornalista. Mas, isso é típico dele. FBC realiza.

E ele estava trabalhando duro no Ministério da Integração quando Eduardo Campos entendeu de disputar a Presidência da República batendo de frente com sua chefe, Dilma. Está ficando difícil. Toda vez que Eduardo Campos sobe o tom, o pessoal do PT do Governo Federal olha para ele atravessado.

Mas, há duas semanas, um gesto de Dilma numa solenidade em Serra Talhada abriu o que, para muitos, era um cenário inimaginável antes de Eduardo virar candidato não declarado: Fernando Bezerra Coelho poderia virar candidato de Lula e de Dilma ao governo de Pernambuco.

O partido pode ser, inclusive, o dos Trabalhadores hoje esfacelado e sem condições de dizer um não a uma ordem de Lula, dentro de um projeto para dividir os votos de Eduardo na sua base. Lula que inventou Dilma Rousseff e inventou Fernando Haddad poderia inventar mais um. Dentro do pesado jogo que o ex-presidente está armando para vencer no Nordeste, FBC cairia como uma luva em Pernambuco.

Não vai ser uma travessia fácil. Mas, na medida em que Eduardo racha com Dilma vai ter um momento em que o PSB terá que desembarcar do governo e pode ser nesse momento que FBC desembarque do PSB. Pela legislação eleitoral, ele tem até outubro para decidir isso.

Feita hoje, a conta é absurda, mas não improvável no futuro. Afinal, FBC sabe que Eduardo Campos não vai dar-lhe a vaga de candidato a governador, porque sabe que ele não será um aliado incondicional e disciplinado. Não foi quando era subordinado a ele no Governo, enquanto secretário, tendo uma atuação independente. Por que seria com milhões de votos?

Além disso, a vaga, com Jarbas voltando do “caminho da perdição” ao campo da esquerda socialista, está fora da disputa na medida em que Jarbas deve percorrer o Brasil catando apoio para Eduardo Campos.

Sabe também que o PT de Pernambuco pode até estrebuchar com sua candidatura e reclamar muito, mas a perspectiva de poder com Dilma e Lula, e com FBC no governo, devolve ao partido a oportunidade de chegar aonde nunca chegou: o governo de Pernambuco com o aval de Dilma e Lula.

Tudo isso é especulação, mas Eduardo sabe que FBC não pretende pagar outra cota de sacrifício ao grupo que lidera. Sabe que na cabeça do ministro, ele já bateu sua cota de jagunço. E que para FBC talvez tenha chegado a hora de ele virar cangaceiro e dono de seu próprio bando. Naturalmente, contando que Eduardo Campos não vai muito longe com a candidatura a
presidente.




jr telecom

FACAPE lança edital para Transferência Interna/Externa e Portador de Diploma

Postado em 1 de abril de 2013 por Josélia Maria

image-7270
A Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (FACAPE) disponibilizou hoje, 01/04, em seu site o Edital para Processo Seletivo de Transferência Interna, Externa e Portador de Diploma de Curso Superior para entrada no segundo semestre letivo de 2013.

As inscrições serão abertas a partir das 8h de 01 de abril e irão até às 20h de 25 de abril através do endereço eletrônico: www.facape.br. Os valores são: Transferência Interna: R$ 55,00 (cinquenta e cinco reais), Transferência Externa: R$ 110,00 (cem e dez reais) e Portador de Diploma de Ensino Superior; R$ 110,00 (cem e dez reais) a serem pagos por meio de boleto bancário, gerado no momento da inscrição. As provas serão no dia 05 de maio de 2013, das 09h15min às 12h15min.O local e o número da sala em que realizará a prova estarão informados no Cartão de Inscrição.

Outras informações:

Setor de Concursos

(87) 3866-3260




jr telecom

Deputado Adalberto Cavalcanti, confirma participação em Brasilia, no movimento de emancipação, apoiando o distrito de Izac‏olandia

Postado em 1 de abril de 2013 por Josélia Maria

image-7265
Desta vez a comissão de emancipação de Izacolandia, não estará sozinha, um integrante de peso deputado estadual Adalberto Cavalcanti, reunido neste domingo dia 31, pela manhã no centro de Petrolina, garantiu a um dos integrantes e presidente da comissão local, que poderia contar com a participação do mesmo em Brasilia, onde acontecerá uma reunião com todos os lideres de partidos as 10h do dia 16 de Abril no Auditório Nereu Ramos.Está confirmada a presença do presidente da Câmara  o deputado federal Henrique Eduardo(PMDB-RN).

image-7266
Na reunião, os lideres discutirão a possibilidade do projeto ir a pauta da ordem do dia, que poderá ser votada no dia 17 de abril. Lideranças dos movimentos de todo pais já articulam-se para se fazerem presentes e acompanhar os tramites em favor do PLP-416; projeto de lei que originou-se no senado federal e agora encontra-se pronto para a pauta na Câmara Federal; o mesmo projeto sendo aprovado, os estados brasileiros terão novamente autonomia para legislar sobre a fusão, criação e desmembramento de municípios.

A comunidade de Izacolandia, desde a muito vem lutando por sua autonomia administrativa, participando ativamente de movimentos nacionais que defende as emancipações, e por mais de 03 vezes esteve participando de mobilizações na capital federal, com integrantes  da sociedade civil daquela comunidade. O deputado Adalberto Cavalcante declarou que seria uma voz a defender as liberdades dos distritos que estão na luta, a saber que a lei não apenas favorecerá Izacolandia, como também, a Rajada, Nascente, Pão de Açúcar, Ibiranga, e os mais de 1000 novos municípios a se formarem em todo pais, entre os quais mais de trinta estão em Pernambuco. Adalberto Brincou com a comissão dizendo “se depender de um grito estarei lá”.

Atenciosamente,

Comissão Emancipação de Izacolandia





Hoje é 1º de abril: “Pequenas mentiras, grandes negócios”

Postado em 1 de abril de 2013 por Josélia Maria

image-7261
Mentir às vezes é necessário. Omitir, principalmente (o que, dependendo do tamanho, pode ser enquadrado na categoria de mentira, certo?). Mas, independente do enquadramento dado para a ação, ou você é muito bom no que faz ou é melhor ser verdadeiro mesmo. O mundo das inverdades não foi feito para amadores. Até porque quem mente pra valer, quem é bom nesse esporte, sabe que a regra número 1 do crime perfeito é: não minta à toa. Sim, porque ser pego no pulo é degradante para qualquer um, mas ser pego em um pulo sobre uma poça insignificante é muito pior! Bora arregaçar as calças e cravar o pé na poça de nossa humanidade? Muitos irão se surpreender como a aguá não chega nem a molhar a bainha…

Mentira é caso sério! A gente só mente quando precisa muito, certo? Não, errado. O povo anda mentindo por motivos cada vez mais torpes. Pra quê? Mentira é que nem crime: se for em legítima defesa até dá pra perdoar, mas se for por mania ou esporte, dá cadeia!! Então, bora assumir nossa condição de imperfeitos e falar umas verdades! Como já diria a filósofa Rena Lanari, “a verdade pode até doer, mas liberta”. Recebeu uma mensagem nitidamente alcoolizada fora de hora? Coloca na roda! Acabou a noite numa festa estranha cheia de siliconadas recusáveis? Conta tudo! Já tá enrolado com outra gata? Assume! Pra que gastar lama onde só tem uma aguinha, pessoal? E não me venha com aquele “eu pensei que você ia pensar que eu pensei…”. Páputaqueupariu as pequenas mentiras e seus grandes negócios. #prontofalei

Para seguir: @euliatulias





Feliciano racista?

Postado em 1 de abril de 2013 por Josélia Maria

image-7257





Série de humor da Globo volta ao ar com mais amor que farpas

Postado em 1 de abril de 2013 por Josélia Maria

A série “Tapas e Beijos”, que retorna amanhã à tela da Globo, volta às suas origens.

Se, na última temporada, Fátima (Fernanda Torres) e Sueli (Andréa Beltrão) viviam mais beijos do que tapas com seus pares, agora as duas voltam a sofrer por amor, como no início da atração.

Após um incêndio em sua loja, Armane (Vladimir Brichta) recebe uma proposta tentadora de seu ex-sogro: se ele topar se casar novamente com a ex-mulher, a família da noiva pagará toda a reforma de seu prédio.

Enquanto isso, Jorge (Fábio Assunção) tem uma surpresa: sua ex-mulher se muda para sua casa após ser convidada pela filha.

“No ano passado, falamos da realidade do casamento”, diz o roteirista Cláudio Paiva. “Elas viram o que era se casar aos 40 anos, a Sueli teve de lidar com a filha adolescente do Jorge. Neste ano, vamos lidar com o descasamento. E com as eventuais recaídas.”

Enquanto isso, Djalma (Otávio Muller) se recupera de um infarto e passa o comando de sua loja de noivas para a mulher, Flavinha (Fernanda de Freitas). “Ele fica completamente biruta.”

TAPAS E BEIJOS
Estreia de nova temporada
QUANDO amanhã, às 22h16, na Globo
CLASSIFICAÇÃO não informada

Fonte:Folha





Ivete cai no ritmo de Galinha Pintadinha no Esquenta! deste domingo (31)

Postado em 31 de março de 2013 por Josélia Maria

image-7248

O “Esquenta!” especial de Páscoa deste domingo está recheado de alegria com a presença de Ivete Sangalo. Pela primeira vez no palco do programa, a baiana completa a tarde festiva ao lado do ator Pedro Cardoso, do comediante Paulo Gustavo e da atriz Luana Piovani, acompanhada do marido Scooby e do filho, Dom.

Antes de o público puxar um coro com grandes sucessos de Ivete Sangalo, a cantora conversa com Regina Casé sobre maternidade, a experiência de interpretar a Maria Machadão de “Gabriela” e suas canções que viraram hino para várias gerações. Para reforçar o gostinho da Páscoa entre as crianças, a Galinha Pintadinha chega ao palco da atração para cantar, enquanto o público infantil corre atrás de ovos de chocolate. Quem se diverte também com a presença do sucesso infantil é Dom, filho de Luana e Scooby.

O Esquenta! é apresentado por Regina Casé, com direção de núcleo de Guel Arraes. O programa é uma criação de Hermano Vianna e Regina Casé e tem direção geral de Monica Almeida, direção de Daniela Gleiser e redação final de Patricia Andrade e Paula Miller.(CLUB TV)

image-7249





Nordeste: os efeitos da pior estiagem em 50 anos

Postado em 31 de março de 2013 por Josélia Maria

image-7245

Ao sair de casa, na última terça-feira, para visitar uma filha no centro da cidade sertaneja de Floresta, a 439 quilômetros de Recife, Manoel Afonso dos Santos, de 82 anos, delegou uma triste tarefa à mulher, Maria Fátima Alves Laurentino, de 46: deixar com fome o cavalo Canário por um dia, para que não faltasse ração aos bois Sereno e Mineiro e ao bezerro Boa Vista.

Morando em uma casa de taipa, sem direito a água nem colheita, ele adotou esse rodízio para administrar os seis hectares do sítio Riacho do Ouro, onde, ao longo dos últimos doze meses, viu sumir o patrimônio de uma vida, na pior seca em meio século. Assistiu à morte de 31 bichos e vendeu cinco outros, “a preço de banana” para garantir o sustento dos que sobreviveram. (Do Jornal O Globo)