Destaques

Hospedagem WordPress
Hospedagem WordPress Hospedagem WordPress
Hospedagem WordPress Hospedagem WordPress
Hospedagem WordPress
Hospedagem WordPress
Lista de Links

Juazeiro:”Inventando moda”…

Postado em 5 de novembro de 2012 por Josélia Maria

image-1639
A prefeirtura de Juazeiro,BA, resolveu cobrar R$ 2,50 por cada mesa que for colocada nas calçadas de bares e restaurantes da cidade.

Não seria melhor aplicar a ordem pública? Estranho hein!!





Frases de Márcio Jandir na Rádio Cidade na manhã desta segunda-feira(05)

Postado em 5 de novembro de 2012 por Josélia Maria

image-1633
Frases de Márcio Jandir  na manhã de hoje (05), no programa Palavra de Mulher com Sibelle Fonseca , Rádio Cidade AM 870

-Inchaço da máquina pública foi fator determinante para o resultado da eleição

-Já se viu decreto de emergência salarial? O que é emergência ? um fato inesperado, chuva,seca. O caso em decreto não  é uma situação de emergência. O tesouro   já fazia uma previsão de redução no repasse do FPM.

-Vários servidores foram nomeados antes do decreto de emergência.

-A cidade continua pra um processo de criação de favelas.

-A mesa diretora da Câmara tinha a obrigação de tá discutindo o direito do vereador  julgar as contas.A gente não vê isso.

-Quem ganhou sabe como ganhou e quem perdeu sabe porque perdeu.





Jornal de Brasilia destaca nome de Julio Lossio para concorrer ao Governo de Pernambuco

Postado em 5 de novembro de 2012 por Josélia Maria

image-1629

Um dos mais conceituados jornais da América Latina, o Jornal de Brasilia, destacou neste domingo, 4, que o prefeito reeleito de Petrolina, Julio Lossio(PMDB), surge como nome para disputar o Governo de Pernambuco contra as forças de Eduardo Campos(PSB).

A imprensa nacional destacou durante  semana passada  a situação do PMDB que se prepara para as convenções.

Um dos membros do Diretório Estadual do PMDB destacou que o prefeito de Petrolina, Julio Lossio, demostra aquilo que a maioria dos peemedebistas pernambucanos quer de um líder: que não se dobre aos encantos e facilidades do governo estadual, só pelas benesses do poder estadual.

“JUlio Lossio vem defendendo os interesses do povo de sua cidade e, porque não dizer, do Sertão, peitando uma luta importante pela municipalização da Compesa, que deixa a população da maioria das cidades até 30 dias sem água, mesmo sendo localidades às margens do rio São Francisco. Ele também demonstrou tirocínio quando devolveu a administração do hospital regional daquela cidade ao controle do governo do estado, que não vinha repassando as verbas necessárias para atender a população carente”, relatou Rivaldo Soares.

Ainda de acordo com o diretoriano, Júlio Lossio foi praticamente sozinho para o embate contra a máquina do Ministério da Integração Nacional, comandada pelo ministro Fernando Bezerra Coelho, e contra a máquina do governo Eduardo Campos, que esteve diversas vezes em Petrolina para tentar derrubar Julio Lossio. “E este como um mourão de baraúna, resistiu e venceu todos e  bem”.

“É preciso que tenhamos o entendimento que Júlio Lóssio derrotou o pretenso candidato a governador de Eduardo Campos. O homem que comanda a Transnordestina, a Transposição do São Francisco, as verbas da Refinaria Abreu e Lima e tantos outros projetos federais”, finalizou Soares.





PT da presidente Dilma Rousseff e o PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, estão divididos em mais da metade dos Estados.

Postado em 5 de novembro de 2012 por Josélia Maria

image-1625

A dois anos das eleições ao Palácio do Planalto e aos governos estaduais, o PT da presidente Dilma Rousseff e o PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, estão divididos em mais da metade dos Estados.

Levantamento da Folha nos diretórios regionais mostra que eles já enfrentam rachas em ao menos 15 Estados.

A relação entre os dois partidos, aliados nacionalmente, é hoje tratada como a principal incógnita para 2014.

Sigla que mais cresceu nessas eleições municipais, o PSB estará sozinho em 2014, no palanque da reeleição de Dilma ou ao lado do senador mineiro Aécio Neves (PSDB), principal nome da oposição para a disputa?

Na campanha eleitoral deste ano, Aécio percorreu o país para pedir votos tanto para tucanos como para candidatos do PSB. Em Belo Horizonte, por exemplo, atuou como principal cabo eleitoral para a reeleição do prefeito Marcio Lacerda, do PSB.

Já Campos acumulou vitórias de seu partido em duelos diretos contra o PT. Foi assim em BH, Recife, Cuiabá, Campinas e Fortaleza.

Esses resultados o colocaram como uma opção de terceira via para 2014, mas também deixaram feridas abertas na relação com o PT.

Por isso há quem defenda uma chapa Campos e Aécio, como disse o prefeito eleito de Manaus, Arthur Virgílio.

“Nós temos esse lado, de conviver bem com um [PT] e com outro [PSDB]”, diz Laurez Moreira, presidente do PSB de Tocantins –um dos 12 Estados em que a aliança continua firme, mas com possibilidade de se desmanchar em 2014, caso os socialistas lancem candidatura própria.

O primeiro ingrediente pós-eleitoral que pode acirrar o cenário virá na quinta-feira, no anúncio das sedes da Copa das Confederações de 2013, evento-teste para a Copa, no ano seguinte.

O Recife corre risco de exclusão, o que deixaria o torneio só com cinco palcos: Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Belo Horizonte e Fortaleza.

O governo brasileiro tem poder de influência na Fifa, responsável pela decisão. Recife fora da competição seria uma derrota para Campos.

RACHAS NOS ESTADOS

Em São Paulo, mesmo tendo apoiado Fernando Haddad (PT), o PSB comandado pelo deputado federal Márcio França antecipa: “Ou teremos chapa própria ou continuaremos com o governador Geraldo Alckmin [do PSDB]”.

Em Minas Gerais, o PSB vive uma dualidade. Quase todo o partido pertence desde 2003 à base de apoio de Aécio, enquanto o presidente estadual da sigla, Walfrido dos Mares Guia, é mais próximo do PT e amigo pessoal do ex-presidente Lula. Isolado, Walfrido hoje não teria força para conduzir o partido a apoiar o PT em 2014.

No Ceará, o quadro é de indefinição. A disputa em Fortaleza distanciou o PT do PSB, mas no plano estadual os petistas continuam participando do governo Cid Gomes (irmão de Ciro). Para 2014, PSB e PT devem lançar candidatos próprios.

Em alguns Estados, PT e PSB são adversários ferrenhos. Presidente petista em SC, José Fritsch, chama o PSB catarinense de representante da “extrema direita”. Lá, o presidente da sigla é o ex-senador Geraldo Althoff, com história ligada ao PFL, hoje DEM. No Paraná, o líder do PSB, Severino Nunes, diz “nunca ter participado de uma eleição junto com o PT”.

Folha





Ouça o programa Cidade Repórter das 07h às 08h na Rádio Cidade AM 870 de segunda a sexta

Postado em 5 de novembro de 2012 por Josélia Maria

image-1622

-No programa desta segunda-feira (05), a participação do Professor da Univasf, Mário  Miranda, que atualmente leciona na Graduação em Engenharia Agrícola e Ambiental, Mestrado em Ciência Animal e coordena o Laboratório de Meteorologia. Tem experiência nas áreas de meteorologia, agrometeorologia e climatologia.•

-Deputado estadual Rodrigo Novaes (PSD), que em pronunciamento na Assembléia Legislativa vem cobrando da Presidente Dilma ações no combate à seca no sertão.

Acompanhe pelo www.radiocidadeam870.com.br





Jarbas, o fim de um ciclo na política de Pernambuco?

Postado em 4 de novembro de 2012 por Josélia Maria

DO JORNAL DO COMMERCIO

ANA LÚCIA ANDRADE

image-1618

Foto: Bernardo Soares/JC Imagem

Os 4.295 votos obtidos pelo debutante Jarbas Filho, 21 anos, na disputa para vereador do Recife, este ano, aumentaram o passivo eleitoral que seu pai, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), acumula desde as duas derrotas estaduais consecutivas: a de 2006, quando não fez o sucessor, apesar do governo bem avaliado, e a de 2010, quando perdeu o governo do Estado por mais de dois milhões de votos.

Essa conta, segundo próprios aliados ouvidos pelo JC na última semana, Jarbas poderia não ter pago. Mas a obrigação de “pai-avô” foi mais forte e o levou a arcar com mais um ônus eleitoral. Pior, contribuiu para aumentar a sensação de que seu tempo político definitivamente passou.

Abraçar a causa do filho, num momento precoce, coincidiu com um movimento político feito por Jarbas de proporções, consequências e interpretação carregados de riscos. A “volta”, após vinte anos de rivalidade, ao campo político agora liderado fortemente pelo governador Eduardo Campos (PSB) até aparecia no horizonte de muitos que o acompanham como algo “natural”.

Pronto para ocorrer a qualquer momento, dado o único projeto político que move hoje o peemedebista, o de derrotar o PT, e considerando a promessa que fez a si mesmo: “Não terminarei minha vida política agarrada com a direita”.

Mas o roteiro da passagem “reduziu” a liderança de Jarbas para alguns, quando ainda era ele a base das oposições no Estado, e por não ter cumprido o percurso de forma gradual; ganhou contornos de conveniência eleitoral para outros, quando casou com o compromisso de eleger o filho vereador e com o “dever” de abrir uma “avenida” política para o deputado Raul Henry; e, por fim, sagrou o senador um coadjuvante da política de Pernambuco, totalmente dependente da conjuntura que venha a ser gerada em torno do projeto político futuro de Eduardo.

Como a vida, a política é feita de ciclos. Infeliz aquele que acredita, assentado no apogeu, que será eterno. O ocaso de Jarbas obedece a essa regra, avaliam observadores da cena política. Mas é impossível descolar a perda de seu protagonismo da contramão que guiou sua trajetória, depois de longas conversas com várias pessoas que o acompanham há anos, sobretudo quando ele desembarcou no Senado. Ressaltadas são as bandeiras que o senador ergueu no Legislativo combinadas com a ética na política.

Jarbas voltou ao Congresso como aquele combativo dos tempos ditatoriais. Só não entendeu, ou fez por escolha, que não podia deixar a política local no passado, mas, principalmente, não devia brigar contra uma realidade política maior que ele. A oposição frontal que decidiu fazer contra o ex-presidente Lula alia-se ao dever cívico de alimentar uma oposição no País. Mas no tom que bradou o grito do contra, o fez ser ouvido apenas como um porta-voz da reprovação aos bons ventos que sopravam no País, e em particular em Pernambuco, e que Eduardo Campos, sabiamente, soube surfar. O presente do político Jarbas guarda um passado respeitado, ainda capaz de prestar serviços. Mas não ao seu projeto, analisam. Que no campo eleitoral sofre.

E no campo da política dependerá do “se” seu novo aliado contra o PT, Eduardo, estiver mesmo disposto a encarar voo solo. O passaporte que levou o senador a fazer a travessia foi a sinalização do governador de se confrontar com o PT. O tempo dirá se ele escolheu o caminho certo ou, mais uma vez, entrou numa contramão.

 

 

 





Marqueteiro diz que Dilma e Lula ajudaram a eleger ACM Neto

Postado em 4 de novembro de 2012 por Josélia Maria

image-1614

Responsável pelo trabalho de marketing na campanha do prefeito eleito ACM Neto (DEM), o jornalista Pascoal Gomes disse em entrevista ao jornal A Tarde que a presidente Dilma Rousseff e seu antecessor Luiz Inácio Lula da Silva contribuíram para eleger o democrata ao fazerem comícios agressivos. Pascoal pondera que Neto simbolizou um projeto novo para Salvador, o que teria também influenciado o resultado da sucessão municipal. Na entrevista ao repórter Biaggio Talento, o marqueteiro conta que o ataque mais difícil de enfrentar foi a acusação de que ACM Neto era contra a política de cotas raciais. “Mesmo sendo uma inverdade em relação ao nosso candidato, ela trazia embutida a tese boçal, que roçava com o totalitarismo, de que a cidade estava dividida entre ricos e pobres, negros e brancos”, afirmou Pascoal Gomes, para quem a tentativa da campanha adversária de grudar na imagem do democrata o estigma de ser contra as cotas foi mais difícil de enfrentar do que o vídeo da surra em Lula e o “eu digo sim a João”. Cerca de 300 pessoas trabalharam na equipe de campanha de ACM Neto.





Gado morre de sede e fome no interior da Bahia

Postado em 4 de novembro de 2012 por Josélia Maria

image-1609

O Globo Rural deste domingo mostrou como o povo do sertão da Bahia está enfrentando uma das piores secas da história.

A Camila Marconato voltou à região de Irecê, onde tinha estado há cinco meses, e constatou que, apesar da dureza da vida, da dificuldade de conseguir água e de algumas pessoas estarem indo embora para procurar emprego fora, não tem gente passando fome. A pior tragédia é a dos animais, que estão morrendo em grande quantidade por falta de comida. E os programas do governo, que conseguem funcionar para proteger as pessoas, não dão conta de garantir a alimentação do gado.Fonte Globo Rural

Adutoras!!!.Esmola de carro pipa ninguém aguenta mais.