Destaques

GONZAGA PATRIOTA SE REELEGE PELA QUARTA VEZ, PRESIDENTE DO CLUBE DO CONGRESSO, EM BRASÍLIA – DF

O deputado federal Gonzaga Patriota – PSB-PE, decano da Câmara dos Deputados a partir de janeiro ...

Será aberta nesta quinta-feira (18) no Centro de Convenções, em Petrolina – PE a AutoVale – Feira de Tecnologia Automotiva

Uma feira com 150 marcas onde o visitante poderá conferir gratuitamente os produtos e serviços do ...

Dia do Professor: Quais são as propostas de Bolsonaro e Haddad para o magistério e para a Educação

Direito de imagemREUTERSImage captionVeja as propostas dos dois candidatos para o ensino básico, m ...

Agricultor familiar é eleito deputado estadual

Postado em 9 de outubro de 2018 por Josélia Maria

Com 66.990 votos, o Movimento Sindical Rural de Pernambuco consegue eleger, pela terceira eleição consecutiva, um agricultor familiar para ocupar um assento na Assembleia Legislativa. Desta vez, a conquista foi assegurada por Doriel Barros, ex-presidente da FETAPE (Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado de Pernambuco). O seu antecessor foi o deputado Manoel Santos, que faleceu em 2015.

Agricultor familiar natural de Águas Belas, Doriel Barros foi delegado de base, diretor do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do seu município e, por 16 anos, diretor da Fetape, sendo, durante dois mandatos, presidente da instituição. “A nossa vitória hoje mostra toda a força que vem do campo e que se une à cidade para fortalecer a luta dos trabalhadores e das trabalhadoras rurais e urbanos. É o resultado de um trabalho sério, de uma militância aguerrida, da dedicação de uma gente que não tem medo de arregaçar as magas e lutar pelas transformações necessárias ao nosso estado. Agora, vamos juntos construir um mandato popular. Os desafios serão muitos, mas já mostramos que estamos preparados para superá-los. Já nos próximos dias, vamos mobilizar a nossa base para elegermos Haddad presidente do Brasil. Queremos o povo feliz de novo”, destacou Doriel Barros




jr telecom

Em Pernambuco o PCdoB integra resistência das esquerdas na luta contra o retrocesso

Postado em 9 de outubro de 2018 por Josélia Maria

image-85137

Ao contrário do que aconteceu em boa parte do Brasil, com a ascensão de um congresso e senado ainda mais conservador por um lado e ultraliberal por outro, em Pernambuco a coligação Frente Popular, do qual o PCdoB faz parte, conseguiu quebrar essa realidade elegendo políticos comprometidos com as causas populares e progressistas.

O PCdoB conseguiu eleger Luciana Santos à vice-governadoria, com a vitória e reeleição do atual governador, Paulo Câmara (PSB). Com a derrota de Armando Monteiro (PTB), caiu também a participação da “turma de Temer” no estado, todos ligados ao candidato petebista. Presidente nacional do Partido Comunista e com uma história de luta em defesa do povo, Luciana quebrou ainda uma marca: será a primeira mulher a ocupar esse cargo em Pernambuco.

Outra vitória do PCdoB no estado a se comemorar é a eleição de Renildo Calheiros como deputado Federal. Grande articulador e estrategista político foi um dos líderes de Lula no Congresso durante seu governo. Com o recrudescimento da anti-política, do ódio e do conservadorismo, sua participação será de suma importância para a luta das esquerdas em Brasília.

Já na Assembléia Legislativa de Pernambuco (Alepe), o Partido Comunista terá um forte representante. João Paulo, ex-prefeito da cidade do Recife também foi eleito. Chegou ao PCdoB vindo do PT em 2017 e, com sua experiência, vai ajudar a reforçar a luta pelos interesses populares no estado.

Nessa eleição, a chapa própria de estaduais levou o nome do PCdoB a todos os recantos do estado de Pernambuco, contando com representantes em movimentos importantes com a agricultura familiar. Dessa forma, junto com a eleição dos outros quadros políticos da Coligação Frente Popular, como ao senado, com Humberto Costa (PT) em primeiro e Jarbas Vasconcelos (MDB) em segundo, o partido se soma ao front na luta contra o consórcio golpista, como já vinha fazendo com Luciana Santos enquanto deputada Federal e, agora, também com representantes na Alepe e no Governo, ajudando ainda mais Pernambuco a avançar.

Do Recife,
Rodrigo Barradas/Assessoria

Foto: Helia Scheppa/PSB




jr telecom

MDB mantém maior bancada no Senado, que fica mais fragmentado e menos feminino

Postado em 9 de outubro de 2018 por Josélia Maria

Nenhum partido perdeu tantos senadores nas eleições deste domingo (7) quanto o MDB. Maior bancada do Senado nesta legislatura, com 18 representantes, o partido passará a contar com 11 a partir de 2019. Em termos de encolhimento, a legenda é seguida de PSDB, que caiu de 12 para oito (podendo ser sete, com a possível vitória do tucano Antonio Anastasia ao governo de Minas), e do PT, que passará de nove para seis (veja quadro com a composição partidária abaixo). A votação de ontem (domingo,7) também foi marcada pela redução da representação feminina e pela pulverização de partidos (leia mais abaixo).

Emedebistas tradicionais ficaram pelo caminho na corrida eleitoral, entre eles Eunício Oliveira (CE), presidente do Senado, Garibaldi Alves (RN), Roberto Requião (PR) e Valdir Raupp (RO). Mas chama a atenção a derrota, em Roraima, de Romero Jucá (MDB), um dos senadores mais influentes da atual legislatura. Um dos campeões de processos criminais no Supremo Tribunal Federal (STF), alguns deles referentes à Operação Lava Jato, Jucá estava há 24 anos no Senado e, depois de liderar três governos seguidos (Lula, Dilma e Temer), ganhou o apelido de “líder de todos os governos”.

Eleição para o Senado contraria pesquisas e mostra alta renovação

A participação feminina também encolheu. Atualmente, são 13 as mulheres no Senado, das quais até dez podem deixar a Casa a partir do próximo ano – Regina Souza (PT), por exemplo, foi eleita vice-governadora do Piauí. Mas, no balanço final, podem ser 12 as próximas representantes da chamada Alta Casa, uma vez que sete mulheres foram eleitas para o posto a partir de 2019: Daniella Ribeiro (PP-PB), Eliziane Gama (PPS-MA), Juíza Selma Arruda (PSL-MT), Leila Do Vôlei (PSB-DF), Mara Gabrilli (PSDB-SP), Soraya Thronicke (PSL-MS), Zenaide Maia (PHS-RN).

MDB perderá sete dos atuais 18 senadores a partir de 2019 – Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado

Elas se somarão a outras cinco com mandato a cumprir até 2023 – Fátima Bezerra (PT-RN), Kátia Abreu (MDB-TO), Maria do Carmo Alves (DEM-SE), Rose de Freitas (Podemos-ES) e Simone Tebet (MDB-MS). No entanto, como a petista Fátima tem chances de se eleger governadora do Rio Grande do Norte em segundo turno, a bancada feminina pode ficar ainda menor, passando a 10 nomes.

Daquele grupo de 13 senadoras, três tentaram se reeleger e não conseguiram: Ângela Portela (PDT-RR), Lúcia Vânia (PSB-GO) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). Além delas, darão adeus à Casa em 2019 Ana Amélia (PP-RS), que disputou a corrida presidencial como vice de Geraldo Alckmin (PSDB); Gleisi Hoffmann (PT-PR), eleita deputada federal; Ione Guimarães (PTB-GO), suplente de Lúcia Vânia; Lídice da Mata (PSB-BA), também eleita para a Câmara; Marta Suplicy (MDB-SP), que deixa a vida pública; Regina Souza.

Senado repartido

Se foram reduzidos os números de representantes femininas e de emedebistas tradicionais, aumentou a quantidade de partidos com representação na Casa. Em vez das 17 siglas atuais, o Senado passará a 21. Entre as novidades está o Partido Social Liberal (PSL) do presidenciável Jair Bolsonaro, que disputará a presidência da República com Fernando Haddad (PT), que chega à Casa com quatro membros.

Além do PSL, passam a ter representação no Senado o Partido Humanista da Solidariedade (PHS), com dois nomes, o Partido Social Cristão (PSC) e o Solidariedade, ambos com um representante.

Veja o quadro comparativo com as composições atual e futura do Senado:

COMPOSIÇÃO PARTIDÁRIA DO SENADO
PARTIDO HOJE A PARTIR DE 2019
MDB 18 11
PSDB * 12 8
PT 9 6
PP 6 6
DEM 5 6
Podemos 5 5
PSD 5 7
PR 4 2
PDT 3 4
PSB 3 2
PTB 3 3
PRB 2 1
PCdoB 1
PPS 1 1
Pros 1 1
PTC 1 1
Rede 1 5
PSL 4
Solidariedade 1
PSC 1
PHS 2

 

* Considerando-se a eleição de Antonio Anastasia (PSDB) para o governo de Minas no segundo turno, assume Alexandre Silveira (PSD), primeiro-suplente. Ou seja, PSDB passa a ficar com 7 nomes e o PSD, com 8.

 

Dos 32 senadores que tentaram renovar os mandatos, apenas oito conseguiram

Só 7 dos 81 senadores foram a todas as sessões do primeiro semestre de 2018




jr telecom

Primeiro senador gay é eleito e representatividade LGBT aumenta no Congresso

Postado em 9 de outubro de 2018 por Josélia Maria

Com 1.117.036 de votos, Fabiano Contarato (Rede) foi o senador mais votado do Espírito Santo. Casado e com um filho, Fabiano será o primeiro senador homossexual da história do Brasil. Além do capixaba, mais dois membros da comunidade LGBTI+ vão integrar o novo Congresso. O deputado federal Marcelo Calero (PPS-RJ) e Jean Wyllys (Psol-RJ), que foi reeleito.

Na última legislatura, dos 594 parlamentares, apenas um era assumidamente gay, o próprio Jean Wyllys. Agora, eles são três.

Nessas eleições, a comunidade LGBT teve grande representatividade, avalia o presidente da Aliança Nacional LGBTI+ e colunista do Congresso em Foco, Toni Reis.

“Nestas eleições de 2018, numa primeira análise, houve um aumento das bancadas conservadoras e uma candidatura presidencial com discurso extremado. Por outro lado, dentro das casas legislativas também continuará havendo bancadas progressistas que defendem os direitos humanos e respeitam a diversidade, as quais serão nossa resistência”, disse Toni.

Depois do resultado, os três parlamentares comemoraram o resultado. Fabiano fez uma transmissão ao vivo no Facebook, em que agradeceu a confiança. “Eu vou honrar esse um milhão e cem votos. Fui eleito sem mandato, não estava na mídia. O que marcou foi que eu cumpri humildemente o que estava na Constituição, onde diz que todos são iguais perante a lei”, disse Fabiano. “Pode ter certeza que a faxina moral vai começar no Senado”.

Marcelo comemorou no Twitter: “Muito, muito obrigado povo do Rio de Janeiro! Tenham certeza que honrarei com dignidade a confiança que vcs me deram hoje com esse mandato! A renovação venceu! E deu a resposta que a velha política merecia! Vamos com tudo!”

“Nosso mandato foi renovado para mais quatro anos de resistência”, escreveu Jean Wyllys.




jr telecom

Paulo diz que aliados vão precisar se adequar a modelo de gestão

Postado em 8 de outubro de 2018 por Josélia Maria

Do G1

O governador reeleito de Pernambuco, Paulo Câmara, do PSB, foi entrevistado pela TV Globo na manhã de hoje, um dia após vencer no primeiro turno das eleições. Nesta manhã, o candidato reafirmou o compromisso de concluir as obras do estado que precisam de continuidade, principalmente na área da saúde e na segurança pública, e falou sobre as alianças feitas durante o pleito.

“A gente está focando na questão da saúde sabendo das dificuldades, sabendo que a procura pelo serviço público aumentou muito nos últimos anos. [Vamos] encurtar as distâncias, tanto é que nós estamos fazendo o Hospital Geral do Sertão lá em Serra Talhada, que já está em obras”, disse o governador.

Câmara foi reeleito com 50,70% dos votos válidos. O governador obteve 1.918.219 votos, enquanto Armando Monteiro, o segundo colocado, obteve 1.361.588, ou 35,99% do total de votos válidos.

O governador reeleito afirmou que os aliados vão ter de que se adequar ao modelo de gestão adotado atualmente. A chapa que reelegeu Câmara contou com uma coligação de 13 partidos. “Agora, nossos aliados vão ficar e vão trabalhar na nossa forma de pensar, na nossa forma de agir. Nós temos um modelo de gestão que tem resultados, que tem metas, que tem objetivos muito claros. Isso vai ser cobrado por toda a equipe”, afirmou.

Saúde

De acordo com Paulo, a construção do hospital em Serra Talhada vai diminuir em cerca de 400 km a distância que as pessoas do Sertão percorrem quando precisam dos serviços de média e alta complexidade. O governador prometeu concluir a obra no segundo semestre de 2019.

“[Vamos] concluir obras fundamentais de UPAs especialidades. A gente tem que concluir Palmares, Escada, Carpina e vamos inaugurar, ainda esse ano, Goiana, então isso vai dar uma cobertura também das UPAs especialidades importantes”, apontou Câmara.

“Temos o Hospital da Mulher de Caruaru, também, justamente para fazer os partos de risco, vai ter um hospital totalmente adequado. E vamos buscar, realmente, atender melhor e atender mais, foi isso que a gente procurou fazer nesses últimos anos, tanto é que a produtividade aumentou, a procura também, e isso precisa ser muito bem colocado, muito bem dosado”, disse.

Segurança

Além dos compromissos na área da saúde, o governador declarou que Pernambuco vai terminar 2018 com os índices de segurança abaixo dos números de 2016 do Pacto Pela Vida.

“Em algumas regiões, são números melhores do que o melhor momento do Pacto Pela Vida, que foi o ano 2013. Isso mostra que é uma construção, um caminho que está sendo feito pelas nossas polícias no âmbito da política do Pacto Pela Vida, que envolve a sociedade civil, envolve os poderes, que está construindo, está conseguindo ter resultados”, disse.

13º do Bolsa Família

Outra promessa dessa campanha, o 13° do Bolsa Família, o governador explicou de onde pretende buscar recursos para o cumprimento da proposta.

“Nós vamos implantar o programa em 2019, no final do ano, com recursos do fundo de erradicação da pobreza a partir de remanejamentos orçamentários do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que nós já verificamos onde nós podemos fazer isso”, explico

Segundo Câmara, toda a receita que o programa vai colocar na economia de Pernambuco “vai voltar ao estado a partir da circulação que isso vai ocorrer no comércio”. Na noite de hoje, o governador reeleito vai para uma reunião em Brasília com o PSB.




jr telecom

Herdeiros de famílias políticas estão entre os mais votados para a Câmara

Postado em 8 de outubro de 2018 por Josélia Maria

Diversos filhos e netos de políticos tradicionais em seus estados foram eleitos deputados federais neste domingo. O caso mais curioso ocorreu em Pernambuco, que elegeu dois herdeiros do ex-governador Miguel Arraes.

O mais votado é João Campos (PSB), bisneto de Arraes e filho do ex-governador Eduardo Campos, morto em um acidente de avião na campanha presidencial de 2014. Em segundo lugar está Marília Arraes (PT), prima de João Campos.

Filho do candidato a presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro (PSL) foi reeleito deputado federal com a maior votação do País. A família Bolsonaro conquistou ainda uma cadeira no Senado pelo estado do Rio de Janeiro.

No Amapá, o campeão de votos é Camilo Capiberibe (PSB), filho do ex-governador João Capiberibe (PSB) e da deputada federal Janete Capiberibe (PSB). A família disputa outros cargos no estado, mas está com a candidatura pendente de decisão da Justiça Eleitoral.

Esposas e filhos
A candidata a deputada federal mais votada do Distrito Federal é Flávia Arruda (PR), esposa do ex-governador José Roberto Arruda, que está inelegível pela Lei da Ficha Limpa. O Espírito Santo elegeu Doutora Soraya Manato (PSL), esposa do atual deputado Carlos Manato (PSL), que se candidatou ao governo do estado.

O mais votado no Tocantins é Tiago Dimas (SD), filho do prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas.

A Bahia elegeu entre os mais votados do estado Otto Alencar Filho (PSD), filho do senador Otto Alencar, presidente do PSD baiano.

No Paraná, foi eleita Luisa Canziani (PTB), filha do atual deputado Alex Canziani (PTB), que perdeu a disputa para o Senado.

No Piauí, o casal Iracema Portella (PP) e Ciro Nogueira (PP) se reelegeu. Ela é deputada federal e ele é senador. O estado também reelegeu como mais votada a deputada Rejane Dias (PT), esposa do governador Wellington Dias (PT), que também se reelegeu.

Rondônia elegeu Jaqueline Cassol (PP), irmã do ex-governador e ex-senador Ivo Cassol (PP).




jr telecom

VOTAÇÃO DE JOSÉLIA MARIA 437

Postado em 8 de outubro de 2018 por Josélia Maria

Belém    73

Cabrobó  3

Santa Maria da Boa Vista 46

Petrolina  225

Caruaru  2

Floresta  1

Recife 19

Olinda 1

Goiana 2

Paulista 4

Garanhuns 2

Camaragibe 2

Dormentes 1

Petrolandia  2

Orocó 1

Santa Cruz do Capibaribe 1

Ipojuca 1

Abreu E Lima 1

Carpina 1

 

Fonte:https://congressoemfoco.uol.com.br/eleicoes/acompanhe-por-aqui-a-apuracao-de-votos-em-tempo-real/




jr telecom

Tente agradecer a Deus por tudo o que faz

Postado em 8 de outubro de 2018 por Josélia Maria

A essência da fé, em poucas palavras, é “Ser amado por Deus” ou “Estar no agrado de Deus” (…).

O mais importante é procurar saber o que devemos fazer para sermos do agrado de Deus. Qualquer pessoa de bom senso sabe que o que desagrada a Deus é agir fora do caminho, mentir, fazer os outros sofrer, causar incômodo à sociedade.

Contudo, atualmente, existem muitas pessoas que não se importam com ninguém, achando que basta o próprio bem-estar e manifestam esse egoísmo na prática. Por se tratar de uma atitude das mais condenáveis, não há como estar do agrado de Deus.

Assim, cada um precisa saber se está sendo amado por Deus ou não. É algo extremamente simples: “Para mim, nada vai a contento. Sofro de necessidades materiais; meu trabalho não progride; meu crédito é fraco; não consigo me rodear de pessoas; minha saúde também é insatisfatória; do jeito que trabalho, não entendo por que não dá certo.”

As pessoas que fazem esse tipo de comentário não estão sendo do agrado de Deus.

Basta estar no agrado d’Ele e o nosso trabalho se desenvolve satisfatoriamente; as pessoas juntam-se ao nosso redor a ponto de nos incomodar; os recursos materiais nos chegam em tão grande quantidade, que mal podemos utilizá-los em sua totalidade. O mundo, então, se torna um lugar agradável de se viver.

A fé só tem realmente valor quando somos felizes. Se a praticamos, mas não alcançamos a felicidade, é porque o motivo, infalivelmente, se encontra em nosso próprio espírito.

Meishu-Sama – Alicerce do Paraíso, v. 4 (trechos)




jr telecom