Destaques

Sertanejo das duplas Jorge e Mateus e Simone & Simaria e forró de Wallas Arrais e Iohannes são destaques do penúltimo dia do Festival Expocrato

Mais uma noite de casa cheia no Festival Expocrato 2018, dessa vez, para recepcionar duas das prin ...

Armando e Mendonça presenciam a força da fé do sertanejo na Missa do Vaqueiro de Serrita

O pré-candidato ao governo do Estado pela frente “Pernambuco Vai Mudar”, senador Armand ...

Chapa presidencial: Rands cotado para vice do PROS

Postado em 21 de julho de 2018 por Josélia Maria

 

Depois de o empresário Josué Gomes ser o vice cobiçado por presidenciáveis, é a vez do PROS colocar mais um nome no mercado: Maurício Rands. O secretário da Organização dos Estados Americanos (OEA), ex-PT e ex-PSB, foi sugerido para compor chapa com Marina Silva (Rede), Alvaro Dias (Podemos) e Geraldo Alckmin (PSDB).

O PROS tem encontrado com os três presidenciáveis, além de representantes da candidatura do PT. Para todos, apresenta um documento com quatro linhas gerais: inovação, energia, segurança pública e reforma tributária. “Estamos dialogando com todos, o que a gente abomina é o radicalismo”, disse Felipe Espírito Santo, presidente da Fundação Ordem Social, braço teórico da legenda.

“O PROS não está oferecendo o nome do Maurício Rands a torto e a direito. Estamos vendo qual candidatura vai acolher nossas proposições e ajudar os palanques estaduais. E aí o nome dele surge como um quadro qualificado que tem possibilidade de compor chapa nacional.”

Filiado ao PROS neste ano, Rands é secretário de Acesso a Direitos da OEA em Washington, nos Estados Unidos. Foi líder do PT na Câmara e deixou o partido em 2012 para se filiar ao PSB e integrar a gestão pernambucana de Eduardo Campos, morto em acidente aéreo em 2014, durante a campanha presidencial. De acordo com Espírito Santo, Rands está de malas prontas e chega ao Brasil neste sábado.

Tempo
Com 11 deputados na Câmara, uma aliança com o PROS garantiria mais 31 segundos de tempo de rádio e TV para a chapa presidencial. Apesar dos diferentes encontros, é talvez com Marina que Rands tenha maior afinidade – ele foi um dos coordenadores de programa de sua campanha em 2014. Para Marina, a aliança com o ex-deputado proporcionaria um salto nos dez segundos que a presidenciável tem hoje. Rands também deixou uma boa impressão de 2014 nos marineiros. “Inteligente” e “eloquente” são adjetivos citados por um interlocutor da Rede. No Podemos, o nome dele também caiu bem. “Gostamos muito da ideia de tê-lo como vice. Seria uma dupla excepcional”, afirmou a presidente da sigla, Renata Abreu. (Agência Estado)




jr telecom

Presidenciáveis atacam Bolsonaro: criança simula arma

Postado em 21 de julho de 2018 por Josélia Maria

Bernardo Mello Franco – O Globo

O deputado Jair Bolsonaro, candidato a presidente pelo PSL, fabricou mais uma polêmica ao ensinar uma criança a imitar uma arma com os dedos.

Se o objetivo era fazer os adversários falarem dele, funcionou. Marina Silva (Rede) afirmou, no Twitter, ter ficado “estarrecida” com a atitude do capitão.

“Como mãe e professora, fiquei estarrecida ao ver um candidato ensinar uma criança a fazer gesto de revólver com as mãos. As mãos de uma criança devem ser treinadas para pegar em lápis e caderno, e jamais em armas”, escreveu.

“Eu como pai sinto nojo e lamento uma pessoa dessa estar solta por aí destilando ódio. Bolsonaro não é um adversário eleitoral, é adversário do Brasil”, disse.

Manuela Dávila (PCdoB) também embarcou na polêmica, mas preferiu não citar o nome do deputado.

“A imagem é tão violenta q o sorriso do inominável deve ser apenas um deboche”, afirmou.




jr telecom

Caciques do centrão são alvo de ao menos 13 inquéritos

Postado em 21 de julho de 2018 por Josélia Maria

Para triplicar seu tempo de TV na campanha, o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) fechou acordo com líderes partidários que têm uma ficha de ao menos 13 inquéritos criminais por suposto envolvimento em corrupção, lavagem de dinheiro e outros crimes contra a administração pública.

Os representantes do centrão que assumiram a dianteira das negociações com o tucano são investigados na Lava Jato, a maioria por por recebimento de propinas da Odebrecht. Os casos motivaram rumorosas operações da Polícia Federal e tramitam no Supremo Tribunal Federal.

Presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PI) foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República como integrante do chamado quadrilhão de seu partido. Conforme a acusação, ele e outros congressistas recebiam subornos em vários órgãos, entre eles a Petrobras.

O PP tem o maior número de parlamentares citados no petrolão. Tanto que, no capítulo de sua delação sobre os implicados no esquema, o doleiro Alberto Yousseff disse que, no partido, “só sobram dois”.

Em outros três processos, Nogueira é apontado como beneficiário de até R$ 5,2 milhões em pagamentos de Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC. Neste último caso, foi denunciado por, supostamente, obter R$ 2 milhões para favorecer a empreiteira em obras.

Nogueira também sofreu medidas de busca e apreensão da PF em abril e, em junho, foi denunciado por tentar obstruir investigações. É acusado de ameaçar um ex-assessor que diz ter testemunhado seus crimes. O Supremo ainda não decidiu sobre a eventual abertura de ações penais contra o senador.

A PGR também pediu apuração sobre pagamento de propina a Nogueira pela JBS.

Presidente do Solidariedade, o deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força Sindical, também ajudou no acerto com Alckmin.

No Supremo, ele enfrenta duas investigações sobre fraude e corrupção para liberar cartas sindicais no Ministério do Trabalho. A mais recente veio à tona em maio, com a Operação Registro Espúrio. Paulinho e outros políticos estão proibidos de frequentar a pasta.

Quatro delatores da Odebrecht citaram repasses de caixa dois para o deputado, o que motivou mais dois inquéritos. Nas planilhas de propina do grupo, ele era identificado como Força ou Forte.

Num dos casos sob investigação, o deputado teria recebido R$ 1 milhão em 2014 em troca do “apoio político” dado à empreiteira numa greve.

Outro inquérito, referente às eleições de 2010, apura recebimento de R$ 200 mil. O dinheiro, segundo os executivos, foi dado ao congressista para que ajudasse na solução de problemas em obras.

Forte fiador da aliança com o PSDB, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), desistiu de sua candidatura ao Planalto por Alckmin e foi um dos que viajaram a São Paulo para celebrar a aliança com o tucano.

Associado ao codinome Botafogo nas planilhas da Odebrecht, ele é alvo de dois inquéritos. Um apura se recebeu R$ 100 mil pela aprovação de medidas provisórias de interesse do grupo. Outro investiga pagamentos de caixa dois a ele e ao pai, o ex-prefeito do Rio César Maia, em 2008 e 2010.

O presidente nacional do PR, Valdemar Costa Neto, desembarcou da candidatura Bolsonaro para aderir a Alckmin. Condenado e preso no esquema do mensalão, voltou a figurar no noticiário policial em 2016, também por causa da delação da Odebrecht.

Dois executivos o acusaram de receber propinas nas obras da Ferrovia Norte-Sul. Seu grupo político teria ficado com 4% do valor do contrato da empreiteira com a Valec.

Chefe do PRB, o ex-ministro Marcos Pereira da Silva é investigado por, supostamente, receber R$ 7 milhões para que o partido aderisse à chapa de Dilma Rousseff em 2014. O episódio foi relatado por ex-dirigentes da Odebrecht.

O empresário Joesley Batista, dono da JBS, disse em delação ter negociado repasse de outros R$ 6 milhões ao ex-ministro, em troca da promessa de facilidades na Caixa.

OUTRO LADO

O advogado de Ciro Nogueira, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que havia uma tendência do ex-procurador-geral Rodrigo Janot de “criminalizar a política”. Ele explicou que, no caso sobre recursos da UTC, por exemplo, faltavam elementos até para abrir o inquérito.

“O Ciro, como presidente do PP, reconhece que fazia os pedidos para doação em nome do partido. A partir daí, o Janot fez ilações irresponsáveis, absolutamente prematuras e sem outro indício que o comprometesse”, criticou Kakay.

A assessoria de Paulinho da Força não retornou a contatos da Folha.

Maia disse que prestou os esclarecimentos solicitados e que espera ver tudo resolvido com brevidade.

Costa Neto informou, também por escrito, que não comenta trabalho de investigação ou conteúdos que serão examinados pelo Judiciário. Marcos Pereira não atendeu telefonemas da reportagem.




jr telecom

Empresários da H.Stern e Puket doam para campanha de Marina

Postado em 21 de julho de 2018 por Josélia Maria

A pré-candidata Marina Silva (Rede).Sérgio Lima/Poder360

PODER360

A plataforma online de arrecadação para a campanha presidencial de Marina Silva (Rede) recebeu doações dos empresários Ricardo Stern, herdeiro da joalheria H Stern, e Cladio Bobrow, sócio-diretor da rede de produtos têxteis Puket. Cada 1 doou R$ 1064.




jr telecom

VEJA O PAPO DO BLOGUEIRO LÚCIO CABRAL COM JOSÉLIA MARIA

Postado em 21 de julho de 2018 por Josélia Maria




jr telecom

Incomodado Bruno Araújo (PSDB) devolve indicação ao senado. Leia o documento enviado ao seu partido!

Postado em 21 de julho de 2018 por Josélia Maria

Recife 20 de Julho de de 2018
Companheiros e Companheiras do PSDB.
Desde o ano passado somos, junto com outros partidos, protagonistas na busca de uma alternativa de Governo para os pernambucanos.
Nos últimos dias tem havido um debate interno no conjunto de nossa aliança com a discussão do meu nome a uma das vagas do Senado, indicado pela totalidade do nosso partido
Mesmo não havendo fato novo que descaracterize o perfil dos nomes até então por nós cogitados para colaborar nas candidaturas majoritárias, ficou evidente a dificuldade levantada por esse conjunto em dar seguimento ao meu nome para uma das vagas ao Senado, sob argumentos que me reservo o direito de discordar, pois era de conhecimento de todos desde nossas primeiras tratativas.
Registro meu agradecimento a totalidade de meu partido e especialmente a um grande conjunto de lideranças das mais diversas correntes partidárias e campos políticos que manifestaram o seu voto de confiança naquele movimento pelo Senado.
Sigo também firme para defender um projeto nacional que precisa oferecer aos pernambucanos outra alternativa ao congestionamento político que existe aqui de apoio a um único candidato presidencial, que não deve ser a única alternativa oferecida a um Estado de histórica e rica diversidade política como o nosso.
Devolvo a meu Partido a honrosa indicação que recebi para que defina o melhor caminho para continuar ajudando a melhorar a vida das pessoas.
Pernambuco nunca faltou ao Brasil…
Bruno Araújo.
Presidente Estadual do PSDB



jr telecom

PSDB rompe com Armando Monteiro

Postado em 21 de julho de 2018 por Josélia Maria

Mauro Filho
Blog do Edmar Lyra

O PSDB ficou insatisfeito com a condução do senador Armando Monteiro para a composição da chapa majoritária. O movimento realizado pelo petebista, que não teria se entusiasmado com a escolha de Bruno Araújo para a vaga de senador na chapa, dentre outros motivos, foi o estopim para que o PSDB optasse por deixar a coligação liderada por Armando Monteiro. Ainda não se sabe se o PSDB lançará candidatura própria, mas como não tem diálogo com o PSB nem com o PT, é provável que Bruno Araújo dispute o governo de Pernambuco. O anúncio sobre a decisão tucana deverá ocorrer a qualquer momento. Em se confirmando este desfecho, Armando perde o principal partido da sua coligação.




jr telecom

Reunião define estratégia para novo distrito industrial em Petrolina

Postado em 21 de julho de 2018 por Josélia Maria

image-83066

Uma comissão formada por representantes da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE) e da prefeitura de Petrolina deve viabilizar estudos técnicos para construir no município um novo distrito industrial. A proposta surgiu durante reunião no gabinete do prefeito Miguel Coelho, nesta sexta-feira (20), e é considerada estratégica para a revitalização do parque industrial da região.

O encontro foi marcado com o objetivo de entregar ao prefeito as chaves da antiga sede da Federação, que foi transferida para o prédio do SENAI, na Avenida Monsenhor Ângelo Sampaio, no bairro Vila Eduardo. Na reunião, o diretor administrativo da FIEPE, Felipe Coelho, enfatizou a importância que prefeitura teve ao ceder um espaço para a entidade, no Centro de Convenções, e que volta a ter a partir da iniciativa de criar o novo distrito, com gestão compartilhada.

“Vamos nos reunir outras vezes, em Petrolina e Recife, com representantes da prefeitura e da consultoria Ceplan para estudarmos a viabilidade econômica, jurídica, ambiental, social e de financiamento do próprio projeto”, diz Felipe. “Com esses estudos, iremos analisar de que forma a FIEPE, CNI, o município e outras instituições podem contribuir para a instalação do espaço”.

A nova zona industrial está prevista para ser instalada numa área municipal do Núcleo 9 do Projeto de Irrigação Nilo Coelho. Segundo o prefeito, o apoio do empresariado e das instituições é essencial para que a iniciativa seja concretiza já nos próximos anos. “O distrito será uma realidade apenas se conseguirmos contar com as parcerias. A prefeitura não pode bancar tudo isso sozinha e estou bastante contente com a disposição de ajuda que a FIEPE tem demonstrado”, afirmou Miguel Coelho.

Visando promover a produtividade da indústria e a qualificação dos gestores, funcionários e empresários da região, a Federação instalou em 2014 sua primeira unidade no interior do estado, a regional Sertão do São Francisco, localizada em Petrolina, com abrangência nos municípios de Afrânio, Cabrobó, Dormentes, Lagoa Grande, Orocó e Santa Maria da Boa Vista. De acordo com o diretor Albânio Nascimento, nesse período, “mesmo com o país em crise política e econômica”, a unidade conseguiu fortalecer a indústria local, preparando-a competitiva e tecnicamente. “Isso nos deu credibilidade diante de todos os órgãos públicos e é, por isso, que fomos acionados para ajudar na elaboração dos estudos técnicos junto à prefeitura”, afirma.

Para o vice-presidente da entidade, Rafael Coelho, Petrolina tem ainda um potencial pouco explorado nesse setor da economia e as casas de ensino técnico do Sistema FIEPE são mais uma maneira de a entidade colaborar para o desenvolvimento do Sertão pernambucano. “Através dos braços SESI e SENAI, a FIEPE vem buscando capilaridade para defender a indústria, a livre iniciativa, a geração de empregos e a competitividade comercial”. O gestor diz que a Federação pretende ser proativa na elaboração dos estudos para o novo distrito industrial. “O projeto é muito importante para o interior do estado, portanto, nossos representantes na comissão serão qualificados, tendo inclusive experiência na área”, concluiu.




jr telecom